text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Muita gente para poucas vagas em SC

      
TAÖS SHIGEOKA

Diante da incapacidade do Estado de garantir o acesso de todos os jovens às universidades públicas e do desemprego que atinge essa parcela da população, a educação profissionalizante apresenta-se como uma solução eficaz. Entretanto, em Santa Catarina, nem mesmo juntas as redes estadual, federal e pública são capazes de oferecer vagas suficientes para atender a procura.

Como conseqüência, surge uma demanda reprimida, formada por jovens até 24 anos, saídos do ensino médio e que não conseguem ingressar no ensino superior. Ou seja, apenas 40% dos alunos catarinenses nessas condições participam de cursos profissionais.

Essas pessoas atendidas pela educação profissional apresentam três perfis. São jovens que ainda não estão no mercado de trabalho ou que já trabalham, mas sem qualificação, e também os profissionais desatualizados em busca de aprimoramento.

Segundo Edna Batistotti, presidente do Fórum Nacional de Gestores de Educação Profissionalizante, o ensino profissional é imprescindível para preparar o jovem para o mundo de trabalho. A técnica da Secretaria Estadual de Educação destaca que é grande a procura do mercado pelos alunos formados nesses cursos, e é preciso aumentar a oferta de vagas, no mínimo, em 50%.

Conferência estadual aponta soluções

Para discutir os problemas, foi realizada nos últimos três dias em Biguaçu a Conferência Estadual de Educação Profissional e Tecnológica. O objetivo foi produzir um documento com as reivindicações do Estado, que será entregue no encontro nacional, em Brasília, em agosto.

Segundo Edna Batistotti, a carta elaborada apontou três questões primordiais. A primeira ressalta a necessidade de criação de um fundo nacional de financiamento para a área, tirando a educação profissional da dependência de recursos federais, estaduais, municipais e das agências internacionais.

A segunda aponta para a fundação de um fórum de discussão, composto pelas diferentes instituições que oferecem o ensino profissionalizante. E a última trata de ações específicas para a formação e valorização dos profissionais da área, através da criação de licenciaturas, planos de cargos e salários.
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.