text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Universidade Ambev

      
A Universidade Ambev (UA) começou como Universidade Brahma, ainda em 1995. Só ganhou o novo nome em 2000, depois da fusão que fez com a Antártica e outras empresas. Foi então também que fez parceria com a Business School de São Paulo e instituiu o programa Melhores Práticas, apresentado na palestra de Cláudio Gonçalvez Mendonça Santos, especialista corporativo de treinamentos da empresa. O programa visa incentivar a inovação entre profissionais de todas as áreas.ÿ

A maioria dos professores da UA são funcionários da Ambev. "Procuramos usar ao máximo nossos recursos internos, compartilhando conhecimento. Organizamos a rotina dos funcionários para garantir essa disponibilidade", conta Santos. Isso, não dispensa, no entanto, a presença de profissionais do meio corporativo e acadêmico em palestras e depoimentos, em busca de melhores práticas e novos conhecimentos. "Uma companhia não pode olhar só para dentro, tem de olhar para fora", diz o especialista.

Tanto que a UA tem algumas parcerias com Instituições de Ensino, como o Senai, INDG e o Berlitz. "Procuramos passar para os parceiros a nossa cultura de pragmatismo, de busca de resultado. O problema é que a universidade tradicional ainda não está estruturada para isso, não consegue dar uma resposta rápida às dinâmicas demandas da empresa", afirmou Santos ao Universia.

Algumass IES, no entanto, estão correndo atrás. Tanto que estava presente entre o público do seminário, representantes da Universidade de Caxias do Sul (UCS), justamente em busca de entender melhor a Universidade Corporativa e como poderiam entrar nesse meio. "Estamos buscando uma aproximação com as empresas. A nossa região é forte no ramo de Metal Mecânico, temos várias empresas por lá, gostaríamos de estar abertas a elas, que nos procurassem para auxílio mútuo", disse Magda Macedo Madalozzo, pesquisadora da área de Comportamento Organizacional no departamento de Administração da UCS, em entrevista ao Universia.

Segundo Santos, é justamente no aspecto didático e de diversificação de metodologias de ensino que a UA precisa se aperfeiçoar. "A maior parte das nossas aulas são expositivas, e sabemos que não é o ideal para adultos, precisamos diversificar as metodologias de ensino: apresentação de cases internos, abrir fóruns de discussão". Não estaría aí a lacuna que as IES poderiam preencher?
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.