text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Melhor tarde do que cedo

      
Eles atrasam a formatura com uma esperança: a de que seus estágios levem ao tão sonhado emprego

Marcos Todeschini

Surgiu nas universidades brasileiras um tipo novo de estudante: ele faz de tudo para adiar a data da formatura e chega a levar o dobro do tempo para concluir o curso. A motivação desses jovens é uma só. Ansiosos, de olho no primeiro emprego, eles se mantêm mais tempo como universitários porque, desse modo, conseguem ao menos permanecer na condição de estagiários. Sem dissolverem os laços com as empresas que os recrutaram, esses estudantes têm mais chances de, um dia, finalmente ser efetivados. Foi o caso de 64% dos jovens brasileiros que passaram por estágios no ano passado, segundo o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). São as histórias de sucesso que alimentam a esperança de estudantes como a paulista Marina Schmalb Guizelini, 22 anos, aluna de administração de empresas na PUC de São Paulo. Há oito meses como estagiária no Banco Santander, Marina já foi avisada pelo chefe de que não será contratada até o fim do ano, quando se formaria. Angustiada com a idéia de deixar a universidade sem perspectiva profissional, ela tomou a difícil decisão de atrasar em meio ano a conclusão do curso. Assim, terá completado dois anos de estágio antes de entrar na disputa por uma vaga. Do ponto de vista financeiro, fez um péssimo negócio. Marina ganha 1.400 reais no estágio e gasta para estudar 1 500 reais, pagos com a ajuda dos pais. Está segura, no entanto, de que vale o investimento: "Sei que emprego bom é coisa rara, por isso estou fazendo tudo o que posso para não deixar essa vaga escapar".

A jovem paulista é uma "estudante profissional", como passaram a ser rotulados os universitários que, como ela, permanecem em sala de aula até o dia em que vêem seu estágio se tornar emprego. Enquanto isso, acumulam experiência prática, que contará a seu favor na hora da competição por uma vaga. Foi a forma que eles encontraram de sobreviver a uma conjuntura que lhes é bastante desfavorável: o desemprego entre os jovens universitários supera as (já altas) taxas brasileiras. Estudo conduzido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que, apesar das inúmeras tentativas de estrear no mercado de trabalho, 18% desses jovens ainda não arranjaram emprego ? para efeito de comparação, o desemprego no país é de 9,3%. A atual leva de universitários está, também, em desvantagem em relação à geração de seus pais. Há duas décadas, 200.000 brasileiros concluíam por ano o curso superior. Ostentar um diploma no currículo praticamente garantia a conquista de uma boa vaga no mercado de trabalho. Na era dos estudantes profissionais, os recém-formados compõem um batalhão anual quatro vezes maior: na casa de 800.000 jovens. O diploma, portanto, deixou de impressionar. Além de enfrentarem uma competição mais dura, os jovens deparam ainda com outro fato que chama atenção na pesquisa da FGV: os salários nessa faixa etária vêm caindo na última década. Um brasileiro que acabou de sair da universidade deve esperar receber, em média, 465 reais ? 10% menos do que há uma década.

O cenário causa tanta aflição a jovens como Sérgio de Paula, 21 anos, aluno de engenharia na Universidade de São Paulo (USP), que ele e os colegas anteciparam a preocupação em arranjar emprego: começaram a caçar estágios já no 3º ano de faculdade, uma decisão que os especialistas afirmam ser cada vez mais comum entre os universitários. No caso de Sérgio, foi preciso enfrentar sete processos de seleção, que consumiram mais de um ano e várias noites insones, até, enfim, obter sucesso. Sua história joga luz em outro fato apontado pelos especialistas: colocar-se no mercado de trabalho é tarefa árdua, também, para os melhores alunos das boas universidades do país. Nessas ilhas de excelência, esbarra-se com estudantes que descrevem a briga por uma vaga como um tormento, caso de Leonardo Trevisan Lombardi, 22 anos, da USP. Ser um dos bons da turma na Escola Politécnica, referência para o estudo de engenharia no país, não poupou Leonardo da decepção de acabar dispensado de um estágio por falta de vagas. Detalhe: ele já havia atrasado a formatura na esperança de ser efetivado. Não deu certo. Num novo estágio, o rapaz decidiu adiar o fim do curso outra vez. Conclui a psicóloga Sofia Esteves, diretora da Cia de Talentos, a maior empresa de recrutamento de jovens do país: "Eles estão mais preparados do que nunca, mas jamais demoraram tanto para arranjar trabalho à altura de sua qualificação". Enquanto aguardam por uma chance, Marina, Sérgio e Leonardo vão levando a vida como estudantes.

 
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.