text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Mais de mil pessoas

      

árvore nativa das regiões tropicais da América Central e do Sul, o cacaueiro produz o cacau, principal matéria-prima do chocolate. Seu nome científico é Theobroma cacao. Em grego, Theobroma significa "alimento dos deuses".
A origem do chocolate é desconhecida, mas acredita-se que há mais de três mil anos, povos pré-colombianos como os astecas e os maias misturavam as sementes torradas e moídas do cacau em água quente ou vinho e temperavam a bebida com baunilha, pimenta e outras especiarias. O resultado era uma espécie de chocolate quente bastante amargo.
Cristóvão Colombo foi o primeiro europeu a ter contato com o fruto do cacaueiro. Ele levou algumas sementes para seu continente de origem em 1502, mas apenas alguns anos mais tarde, quando o navegador Hernando Córtez presenteou o rei espanhol com grãos de cacau, o chocolate passou a ser bebida da moda entre os nobres da Europa.

Para saber mais sobre a história do chocolate acesse

https://www.icb.ufmg.br/biq/
prodap/teste.pdf

"Aproveitando a época da Páscoa, porque não esclarecer alguns mitos e verdades sobre o chocolate?": com essa motivação, a coordenadora do CDC (Centro de Difusão da Ciência) da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), professora Tânia Margarida Costa, promoveu um evento no mês passado sobre o aclamado produto. Agora, ela saboreia o sucesso da iniciativa. "Atingimos o nosso objetivo. Mais de 40 alunos de graduação, mestrado e doutorado envolveram-se na organização, ajudando a estebelecer esse diálogo com a sociedade", relata.

O evento foi realizado em plena Praça da Liberdade, a praça principal de Belo Horizonte, onde os visitantes passearam por tendas didáticas e participaram de oficinas de fabricação e degustação do alimento. Promoção conjunta entre as faculdades de Farmácia e Medicina, Escola de Enfermagem, ICB (Instituto de Ciências Biológicas), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), Escola Maria Chocolate e Spa Outeiro de Minas, o evento reuniu mais de 1.500 pessoas.

Cinco tendas relataram a trajetória, as potencialidades e os mistérios do chocolate: Saber; Mitos e Verdades; Contos; Estética Corporal e Sentidos. Integrantes do projeto de extensão Neuroeduca, do ICB (Instituto de Ciências Biológicas), participaram do espaço "Sentidos". Nas oficinas de degustação - oferecida pelo Senac - e de fabricação - pela Escola Maria Chocolate -, os participantes aprenderam a diferenciar os tipos de chocolate e experimentaram coquetéis sem álcool.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.