text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Colégio Técnico Industrial da Unesp forma 5,8 mil alunos em ambiente familiar desde 1967

      
Uma escola de segundo grau sem sinal de entrada ou saída para as aulas, com portões abertos para os estudantes e onde todo o conhecimento é valorizado. Essa é a definição de alunos, ex-alunos e professores sobre o CTI (Colégio Técnico Industrial) Professor Isaac Portal Roldán, que neste mês comemora 40 anos de fundação em Bauru. Oficialmente, a escola foi criada em 7 de abril de 1967.

Uma das três unidades de ensino médio e profissionalizante da Unesp (Universidade Estadual Paulista), a instituição já formou 5.800 alunos do ensino técnico e do ensino médio.

Para seu atual diretor, Carlos Augusto Magalhães, a liberdade para os estudantes sempre foi a marca. "Eles são tratados como adultos, mas também têm que arcar com toda a responsabilidade." Magalhães cita o exemplo de entrar no horário correto das aulas. Caso contrário, a ordem é esperar a próxima aula.

O estudante do terceiro ano de eletrônica, Isrãl Dias Felipe, 17 anos, afirma achar o CTI "bem diferente" das escolas que estudou. "Aqui é bem puxado, temos que estudar muito e, por isso, acabamos ficando mais unidos", acredita.

Hoje, a escola oferece a opção para o aluno cursar a instituição em dois períodos (ensino médio e técnico) ou só o noturno (técnico).

Arthur Gusmão, 17, é um dos que estudam eletrônica de manhã e à tarde. "A estrutura é muito boa. De fato, parece uma casa", diz.

?Meio do mato?
A "casa" funciona hoje no bairro Vargem Limpa, atrás do Hospital Estadual e tem cantina, pátio e até espaço para vôlei de praia e futebol society. O professor de educação de física José Carlos da Silva conta que os próprios alunos e professores construíram esse "aparato" de esportes. "Com doações e festinhas fizemos na raça tudo isso."

Para a estudante do terceiro ano de informática, Vanessa Melo e Sousa, 17, o ambiente faz a diferença.

"? como uma família no meio do mato", brinca.

Ex-estudantes vão longe
Nos seus 40 anos de história, o CTI já formou profissionais que hoje se destacam no mercado de trabalho.

O mais famoso deles, no entanto, não chegou a completar o curso. O ator Edson Celulari, 49, fez em 1974 o primeiro ano do curso de eletrônica, mas saiu para começar sua carreira de sucesso na TV, teatro e cinema.

A maioria dos ex-alunos, porém, continuou carreira na área em que se formou.

?Vôos? mais altos
A física Ana Carolina Zeri, 35, formou-se em 1989 em eletrônica e, hoje, coordena o laboratório de ressonância magnética nuclear do LNLS (Laboratório Nacional de Síncroton) em Campinas, que estuda átomos e moléculas para organizações de todo o país. Ela conta que foi a única mulher em sua turma.

"Lembro de coisas engraçadas, como meninos que deixavam capacitores carregados nas bandejas de componentes para dar choque. E também dos professores, que foram fundamentais na minha formação geral."

Outro exemplo é Ricardo Yague, 48, atual representante técnico da agência espacial norte-americana na Itália que cuida do projeto da Estação Espacial Internacional naquele país. Ele se formou em 1976 no CTI em eletrônica.

Falcão é ?berço? da unidade
O CTI foi criado no dia 7 de abril de 1967 com o curso de máquinas e motores.

A escola funcionava na Vila Falcão, bem atrás do prédio da Diretoria Regional de Ensino. A implantação do colégio foi uma pré-condição do Conselho Estadual de Educação para depois criar em Bauru uma Faculdade de Engenharia, aberta ainda em julho de 1967.

Na época, a Fundação Educacional de Bauru cuidava, ao mesmo tempo, dessas duas instituições.

Em 1985, foi instalada a Universidade de Bauru e, em agosto de 1988, a Universidade de Bauru foi incorporada à Unesp (Universidade Estadual Paulista). Até chegar aos seus atuais cursos de mecânica, informática e eletrônica, o CTI planejou e ofereceu outros programas como artes e decoração e telecomunicações, que se adaptavam às necessidades profissionais de cada época.

Baile dia 14
O CTI vai comemorar os seus 40 anos no dia 14 de abril, na Associação Luso Brasileira, a partir da 23h.

Os convites custam R$ 15 ou R$ 80 para mesas com quatro pessoas.

As vendas são feitas apenas no CTI. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (14) 3203-0161.
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.