text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Agências Internacionais e o intercâmbio acadêmico

      

Por Lílian Burgardt, de Curitiba

Representantes de países como Estados Unidos, Alemanha, França, Espanha e, também do Reino Unido, estiveram reunidos na tarde desta quarta-feira durante a palestra "O papel das agências internacionais na cooperação para o desenvolvimento e para o intercâmbio acadêmico" realizada na XIX Reunião Anual do FAUBAI (Fórum das Assessorias das Universidades Brasileiras para Assuntos Internacionais) que acontece em Curitiba - Paraná.

O foco da palestra foi mostrar aos assessores dos departamentos de relações internacionais das universidades como trabalham as agências de cooperação internacional de cada um dos países. Em uma apresentação objetiva, o diretor da comissão Fullbright, Luiz Valcov Loureiro, apontou os principais programas de intercâmbio coordenados pela agência e destacou o novo projeto de cooperação entre Brasil e Estados Unidos que oferece a oportunidade para estudantes de cursos tecnólogos do Brasil de estudar no exterior em Community Colleges.

Os representantes dos CEFET?s (Centros Federais de Educação Tecnológica) presentes no evento se mostraram muito contentes com o novo projeto, especialmente porque acompanham o sofrimento de estudantes que pretendem ter uma experiência internacional antes de migrar para o Ensino Superior, mas que não encontram oportunidades com facilidade ou, quando encontram, precisam fazer um grande investimento a fim de conseguir se manter fora do país. Segundo Loureiro, o novo programa terá durabilidade de quatro anos, garantindo que o maior número possível de estudantes interessados possam usufruir deste convênio.

Ainda na palestra da comissão Fullbright, o público presente questionou o diretor da agência sobre programas voltados para alunos de baixa-renda. A grande reclamação é a falta de oportunidade para inserção destes jovens no cenário internacional. O diretor respondeu que um dos programas que envia estudantes de graduação também para Community Colleges veio justamente para suprir essa demanda de alunos das classes C e D existentes nas universidades, especialmente porque oferecem treinamento no idioma inglês, principal dificuldade apresentada por tais estudantes. "O maior entrave para levar estes alunos para o exterior é a falta de domínio da língua. Hoje, o que temos a oferecer é este programa dos Community Colleges. No futuro, esperamos que novos programas possam ser criados para atender a estes jovens", disse.

Outro ponto de destaque foi o discurso do diretor geral do Cendotec - Edufrance, Pierre Fayard, explicando as mudanças sofridas pela Edufrance que, agora, passa a se chamar Campusfrance e assume uma função muito mais ativa no preparo de estudantes brasileiros interessados em estudar em uma Instituição de Ensino Superior francesa. "A partir de agora, o aluno poderá efetuar seu cadastro destacando a intenção de que quer ser aluno na França e terá acesso a um universo de informações sobre como conquistar tal objetivo", contou.

Representantes de escritórios como o DAAD (Alemanha), British Council (Reino Unido) e ãCI (Espanha) concentraram seus discursos nos programas de cooperação existentes no Brasil, a fim de expor para as universidades as possibilidades de cooperação internacional com cada um dos países e, ainda, reforçar a importância de estabelecer e manter acordos com o Brasil.

A fala mais atrãnte ficou por conta da diretora do escritório regional do DAAD no Brasil, Gabriele Althoff. "O Brasil não é considerado um país em desenvolvimento, mas sim, um país emergente que possui muitos contrastes. Regiões carentes como o Nordeste, mas pontos positivos como o desenvolvimento científico e tecnológico que certamente são atrãntes para o estabelecimento de acordos de cooperação internacional", frisou.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.