text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

USP concede bolsas para alunos de escola pública

      
A Universidade de São Paulo (USP) concederá 411 bolsas de R$ 250 aos melhores colocados na Fuvest oriundos de escolas da rede pública e provenientes de famílias de baixa renda. Dessas, 180 bolsas serão financiadas com recursos da própria instituição; outras 231 são resultado de parceria assinada com o Banco Santander Banespa.

Elas começarão a ser distribuídas a partir das próximas semanas e valerão apenas por um ano. Em troca, na época de inscrição do vestibular, o estudante deverá voltar à sua escola de origem para divulgar o programa e o benefício. A universidade ainda não informou qual o valor per capita máximo de renda do aluno para que possa participar do programa.

"Queremos que esses bolsistas nos ajudem a trazer o estudante da rede pública para a universidade. Que eles vejam que é possível e que vale a pena tentar passar no vestibular. Muitas vezes, esse aluno não tenta porque acha que não vai passar", afirma o vice-reitor da USP, Franco Maria Lajolo.

Um exemplo da dificuldade da universidade em atrair o aluno da escola pública é o número de isenções que são oferecidas, e nem sempre preenchidas. No último vestibular, por exemplo, a taxa de inscrição era de R$ 100. Das 65 mil isenções oferecidas, mais de 23 mil ficaram ociosas.

Por isso, para o próximo período de inscrições, a instituição mudou o critério e aumentou o limite da renda per capita para até 1,2 salário mínimo.

De acordo com Lajolo, a bolsa valerá apenas para o primeiro ano de graduação porque, a partir do segundo, o estudante poderá concorrer a outras formas de auxílio financeiro como bolsas de iniciação científica ou projetos de pesquisa.

A concessão dos benefícios é um segundo passo do Inclusp programa criado para aumentar a inclusão de alunos da rede pública na instituição. Criado no fim do ano passado, e aplicado pela primeira vez na última edição do vestibular, o programa deu um bônus de 3% na nota da Fuvest para quem estudou os três anos do ensino médio em escolas públicas.

Somente a partir da lista de convocados para a primeira chamada, houve um acréscimo de 20% no número de aprovados em relação ao ano anterior.

Os números finais do Inclusp, que abrangem todas as cinco chamadas, as desistências e os erros de inscrição deverão ser divulgados na semana que vem. Aí será possível saber exatamente quantos alunos a mais da rede pública o programa conseguiu incluir em comparação com o ano passado.

"A USP está preparando outras bolsas, mas que ainda não estão formatadas. O intuito em todas é levar em conta o mérito, pela nota da Fuvest, a condição socioeconômica e o fato de ter estudado durante os três anos no ensino médio na rede pública", afirma Lajolo.
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.