text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Brasil, agora, à frente da Suécia

      

O Brasil conquistou em 2006 a 15a posição no ranking dos países com maior produção de novos conhecimentos científicos do mundo, subindo duas colocações comparado a 2005. O ranking dos 30 países com maior número de artigos cientificos publicados em revistas altamente qualificadas no exterior foi divulgado nesta segunda-feira, 9, pelo presidente da Capesp (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação), Jorge Guimarães, durante a 59º Reunião Anual da SBPC, em Belém (PA).

Para Guimarães esse é um avanço extraordinário que só era previsto ocorrer após 2008. Os dados internacionais (Capes/ Thomson NSI 2006) mostram que os pesquisadores brasileiros publicaram nesse ano 16.872 artigos nas mais importantes revistas científicas do mundo, apenas cerca de quatro vezes menos que a Alemanha, a segunda do ranking, que publica 8,1% do total mundial. Já em relação a 2004, o crescimento foi de 33%, três vezes a média mundial. O Brasil ultrapassou a Suécia e Suíça.

O presidente da Capes ressalta a importância da pós-graduação brasileira, onde se dá majoritariamente a produção científica como produto resultante do desenvolvimento das teses e dissertações. Conforme ele, os dados internacionais confirmam a relação direta do crescimento da ciência brasileira de alto nível com a formação de novos mestres e doutores. "O desempenho excepcional do Brasil permite considerar que a pós-graduação está capacitada e qualificada para dar suporte técnico-científico, se integrar ao projeto nacional e contribuir decisivamente para desenvolvimento tecnológico e de inovação, atuando no segmento industrial tanto público como privado", analisa.

Outro aspecto importante, ressaltado por Guimarães, é que nesse ritmo o país ocupará na ciência a mesma posição mundial que exibe em relação ao PIB, seguindo a correlação que existe entre os países mais desenvolvidos. "Mas para assegurar sua posição ou para subir no ranking, o país precisará manter e até mesmo ampliar seu desempenho atual", acredita o presidente da Capes.

As áreas que mais cresceram no país na comparação dos triênios 2001-2003 e 2004-2006 foram: psicologia/psquiatria (70%); produção animal vegetal (58%); ciências Sociais (52%); medicina (47%); farmacologia (46%); ciência agronômica (46%); imunologia (44%);computação(44%); ecologia e meio ambiente (40%). Já 2006 comparado a 2005 o crescimento foi: imunologia (23%); medicina (17%); produção animal e vegetal (13%); economia (12%); ecologia e meio ambiente (12%); engenharias (11%).

No topo do ranking estão Estados Unidos, que é responsável por 32,3% da produção científica mundial, em seguida vem a Alemanha que desloca o Japão e assume a segunda posição com 8,1%; a China assume o quarto lugar e em quinto lugar a Inglaterra.

Fonte: Capes

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.