text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Formandos pagam caro pela falta de experiência

      

Novo serviço pra você

Se você procura uma chance de publicar seu currículo, enviá-lo para empresas e até construir uma boa rede de contatos, então precisa conhecer o novo serviço que o Universia disponibiliza, o Universia Primeiro Emprego.

O serviço é totalmente gratuito, tanto para quem está procurando um emprego, como para as empresas, que disponibilizam suas vagas. O cadastro é simples e rápido e você passa a contar com um sistema mais ágil para publicar o seu currículo e correr atrás daquela chance que está procurando.

Gostou? Então não perca tempo e corra para cadastrar o seu currículo e buscar a sua oportunidade. Clique aqui e conheça o serviço Universia Primeiro Emprego!

Do Universia

O fim do período universitário é um momento de alívio para muitos estudantes. Se por um lado um ciclo se fecha, por outro um bem maior e mais complexo se abre. ? o momento de se inserir entre profissionais num ambiente na maioria das vezes agressivo e competitivo. ? nessa hora que pesa e muito a falta de experiência, sobretudo para aqueles que não conseguiram sequer uma oportunidade de estágio dentro da área em que escolheram estudar. Seja por questões financeiras, seja por falta de oportunidade, ou até por opção, muitos formandos concluem a universidade sem nenhuma experiência e sofrem as conseqüências impiedosas da realidade após a faculdade. Muitos formandos buscam alternativas fora da sua área de atuação, desperdiçando anos de estudos.

Segundo Marisa Silva, consultora de carreira da Career Center, rede especializada em gestão de carreiras, os anos de faculdade são os mais propícios para adquirir experiência. Nesse sentido, o estágio pode ser a forma mais viável de juntar prática e teoria. Ela confirma que empresas dão prioridade para jovens com um mínimo de experiência na profissão. "A maior parte das empresas busca profissionais que já tenham alguma vivência na área em que querem trabalhar. Um dos motivos é a falta de tempo para ensinar coisas básicas, que geralmente são mais trabalhadas no período de estágio", afirma Marisa.

Há quem descubra isso da forma mais cruel, sentido os efeitos da falta de experiência na pele. ? o caso da recém-formada Tatiana Guiem. Graduada em Turismo pela Universidade Anhembi Morumbi, desde o primeiro ano de faculdade, ela atua como operadora de telemarketing. "No meu curso o estágio era obrigatório, e mesmo fora da área de turismo, (a faculdade) contabilizou as horas no estágio para que eu pudesse me formar", conta Tatiana. Só que essa tentativa de conciliar a necessidade de trabalhar e a obrigação de estagiar custou caro para ela. "A falta de experiência tem sido uma das principais dificuldades para que eu arrume um emprego na minha área, por isso até hoje continuo onde estou", lamenta Tatiana.

Com pouca ou nenhuma experiência, os recém-formados encontram cada vez menos oportunidades de conseguir bons salários ou mesmo começar na profissão que escolheram. Isso empurra muitos deles para cada vez mais longe de suas carreiras. ? o caso de Thiago Arruda, formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado há cinco anos, Thiago teve pouco contato com a área e nos poucos estágios em que atuou não vislumbrou nenhuma possibilidade de efetivação, o que o fez partir para outras direções, até pela necessidade de trabalhar. Estava indo cada vez mais longe de seu sonho profissional, porém mais para postos mais rentáveis em comparação aos estágios. "As atividades que eu realizava no estágio eram mais voltadas à correção e tratamento de imagem. Os projetos mais importantes que ajudariam a complementar a minha formação nunca ficavam nas mãos dos estagiários. Por isso, não tive oportunidade de montar meu portfólio e expor meus trabalhos. Depois de formado, com as dificuldades, acabei partindo para a área de logística que na época pareceu a melhor opção", relata Arruda.

Tatiana Guiem, graduada em Turismo pela Universidade Anhembi-Morumbi
Na opinião de Marisa, a falta de experiência não é uma barreira que não possa ser transposta. Segundo ela, programas de trainee podem ser uma boa opção para quem não conseguiu realizar um estágio e já está formado. Apesar de ser um processo mais árduo, Marisa diz que é o tipo de concurso que prioriza características pessoais como liderança, pró-atividade e facilidade de relacionamento. Marisa afirma que as dinâmicas realizadas nesse tipo de processo são voltadas para identificar essas habilidades. Além disso, a consultora destaca outras características importantes na busca de um emprego. "Para quem não tem experiência, a dica é ter um currículo diferenciado. E para isso é importante fazer cursos diferentes, ter fluência em algum idioma, estar atualizado e conversar com profissionais para saber o que o mercado exige".

Entretanto, essa regra nem sempre funciona tão bem na prática quanto no discurso. Arruda, que acabou de voltar de um intercâmbio de um ano na Austrália, tem tido as mesmas dificuldades que tinha antes de embarcar rumo ao outro lado do mundo. "Quando viajei para realizar o intercâmbio, já estava trabalhando havia dois anos com logística e precisava tentar algo diferente. Mas hoje, há quatro meses desempregado, vejo que o inglês não ajudou muito nesse sentido", afirma ele. Tatiana engrossa o coro daqueles que procuraram diferenciais e não acharam emprego. Mesmo dominando o inglês, o espanhol, e tendo conhecimentos de alemão, não consegue se destacar. "A impressão que fica é a de que sempre precisamos fazer mais", lamenta ela.

Mas Marisa faz outro alerta: a articulação e a postura nas entrevistas e processos seletivos é importante. "Uma pessoa com uma boa bagagem cultural e que saiba conversar e se expressar tem chances muito maiores", destaca ela. Além disso, a consultora lembra um detalhe relevante: redigir um bom currículo. "O currículo deve ser bem escrito e conter informações pertinentes e coesas. Projetos realizados dentro e fora da universidade e que tenham relevância podem ser incluídos, assim como atividades no terceiro setor", completa Marisa.

Dicas da consultora de carreira Marisa Silva para conseguir superar as dificuldades em função da pouca experiência prática adquirida durante a faculdade:
Redija um bom currículo. O currículo deve ser bem escrito e conter informações pertinentes e coesas
Procure programas de trainee, eles aceitam candidatos já formados e é o tipo de concurso que prioriza características pessoais como liderança, pró-atividade e facilidade de relacionamento
Faça cursos diferenciados que complementem a formação universitária. Ter boa bagagem cultural é um diferencial importante que pode se decisivo
Converse com profissionais da área em que se pretende atuar para manter-se inteirado sobre os rumos do setor e suas dinâmicas
Mantenha-se atualizado através da leitura de jornais e notícias relevantes
Estude línguas estrangeiras. A fluência em outros idiomas é outro diferencial importante
Atenção na postura em entrevistas e processos seletivos. Saber se expressar e ter boa articulação é fundamental
  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.