text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Oportunidades nos EUA

      

Do Universia

Se você sempre quis estudar nos Estados Unidos mas não conseguiu por motivos financeiros, burocráticos, ou qualquer outro, fique atento, pois sua grande chance pode estar por perto. Neste momento, pelo menos três programas de intercâmbio para os EUA estão com inscrições abertas e com foco nos mais diferentes públicos - estudantes do Ensino Técnico, graduandos e pesquisadores.

O mais recente deles é o programa "Study for Student Leaders", lançado pela Embaixada Americana no Brasil. O programa oferece 18 bolsas para estudantes universitários. Para se inscrever é preciso estar no máximo no terceiro ano e ter inglês avançado. Todos os gastos do estudante serão custeados pelo Governo dos Estados Unidos. "Alimentação, passagens aéreas, visto, hospedagem, tudo será pago pelo programa", conta a Assessora Cultural da Embaixada dos Estados Unidos, Vera Galante.

O projeto já foi realizado anteriorment em países do Oriente Médio. Em março, foi feito um acordo para que ele seja aplicado também na América Latina, e o Brasil foi o primeiro país escolhido para receber as bolsas. Vera diz que a procura pelas bolsas tem sido alta. "Em quatro dias de inscrições, mais de 80 pessoas ligaram fazendo perguntas sobre o projeto. E geralmente as pessoas que nos ligam, preenchem os requisitos necessários para as vagas", observa.

A universidade que sediará o programa ainda não foi definida, mas em no máximo duas semanas isso será divulgado segundo Vera. "A licitação já foi feita, está tudo bem encaminhado para o anúncio da instituição", explica a assessora.

O programa é aberto para alunos de qualquer curso e universidade. Portanto, se você se interessou, entre no site da Embaixada e faça sua inscrição até o dia 8 de outubro.

Bolsas para o Ensino Técnico

Estão abertas, até 01º de outubro, as inscrições para o programa de intercâmbio que oferece 50 bolsas de estudo nos Estados Unidos. O programa é voltado para alunos matriculados em cursos técnicos superiores em instituições reconhecidas pelo MEC nas áreas de Administração e Gerenciamento de Negócios; Turismo e Hotelaria; Comunicação; Tecnologia da informação; e Tecnologias na área de engenharia. Também é preciso que os candidatos completem no mínimo 25% do curso até o final deste ano.

O governo americano anunciou que pretende ampliar esse programa de intercâmbio com o Brasil um ano depois de projeto piloto que viabilizou bolsas de estudo para tecnólogos em seis países: além do Brasil, Egito, Indonésia, África do Sul, Paquistão e Turquia. De acordo com autoridades dos Estados Unidos, o montante investido no ano que vem subirá dos atuais US$ 500 mil para US$ 2 milhões. Quem quiser participar poderá se inscrever no site do Fulbright - comissão para intercâmbio educacional entre os dois países.

Segundo Luiz Loureiro, diretor executivo da Fulbright, o governo americano decidiu aumentar o investimento no Brasil porque avaliou que os bolsistas daqui tiveram um bom desempenho. Na ocasião, 100 candidatos disputaram as 12 vagas. Este ano serão 50 vagas e quem pensa que para conseguir a bolsa é necessário ter domínio total da língua inglesa está enganado. O alvo do programa não é esse. Loureiro explica que o perfil dos contemplados no ano passado era de jovens estudantes de classe C, D e E. Até por isso mesmo, afirma Loureiro, os brasileiros foram tão bem vistos pelas autoridades americanas. "Os selecionados não haviam nunca viajado para o exterior e alguns nem saído de sua própria cidade. Então, era a oportunidade da vida deles. Por isso o grau de motivação era enorme, eram super dedicados e foi o que os americanos mais gostaram", conta Loureiro.

Mesmo assim, este ano será exigido um pouco mais em ternos de aprendizado da língua inglesa já que o programa diminuiu o curso intensivo do idioma para os contemplados. Era de quatro meses e passou para dois meses. Para Loureiro, as instituições que recebem os bolsistas se beneficiam muito com o fato de abrigarem alunos vindos de outras culturas e outras realidades sócio-econômicas, por isso se interessam em participar. Loureiro explica que as vagas serão distribuídas por região no Brasil inteiro. "Queremos uma representação nacional no programa", explica ele. Mais informações estão disponíveis no site do Fulbright.

Vagas também para pesquisadores

Para fomentar o intercâmbio de estudantes de doutorado e doutores, professores e pesquisadores, a Capes/MEC (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) inscreve até o dia 01º outubro os interessados em participar do programa de cooperação com a Universidade do Texas, nos Estados Unidos. Instituições de Ensino Superior de todo o Brasil podem participar do intercâmbio científico com as unidades da universidade nas cidades de Austin, El Paso e Houston através da apresentação de projetos de pesquisa.

O programa prioriza pesquisadores que desenvolvam trabalhos nas áreas de ciências sociais, da terra, ambientais, saúde, tecnologia, engenharias e informática. Professores e coordenadores de projeto terão passagens, diárias para atividades de ensino e pesquisas no exterior pagas. Para os estudantes de doutorado é oferecida passagem e a bolsa de estudo. O programa oferece ainda como benefício o financiamento das missões de trabalho (professores e pesquisadores) e missões de estudo (estágio doutoral e pós-doutorado) entre os dois países.

Entre as exigências do programa estão: ter um coordenador com título de doutor há pelo menos cinco anos com reconhecida competência na área; projeto vinculado a um programa de pós-graduação avaliado pela Capes; e necessidade da equipe ter entre os integrantes pelo menos dois doutores. Mais informações podem ser obtidas no edital do programa.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.