text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Comprometimento com trabalho integrado

      

Por Marcel Frota, de Belo Horizonte

O encerramento do Congresso Internacional de Reitores Latino-americanos e Caribenhos, que ocorreu entre os dias 16 a 19 de setembro no campus da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) em Belo Horizonte, foi marcado pela confecção de um documento em que as universidades e instituições de ensino superior se comprometeram de diversas formas para melhorar as relações na América Latina e promover o desenvolvimento da região. Para Ana Lúcia Gazzola, diretora do Iesalc (Instituto Internacional para a Educação Superior na América Latina e Caribe), o congresso foi "extremamente bem-sucedido". No total, quase 350 instituições de 29 países da região foram representados.

"Foram excelentes debates em que os participantes realmente apresentaram reflexões profundas, posicionamentos críticos importantes desde o campo conceitual até um campo mais operativo. Chegamos a um documento final que é bastante substantivo e que além de ter questões de princípios e de natureza conceitual, também apresenta uma agenda de futuro, quase que um roteiro ou plano de ação, para que possamos enfatizar certas prioridades e possamos politicamente fazer valer as decisões que foram tomadas aqui", disse Ana Lúcia apos a cerimônia de encerramento do congresso.

Entre as diretrizes estabelecidas no documento final, destaca-se a "manifestação do compromisso das universidades de se constituírem como protagonistas do desenvolvimento da região, promovendo a mudança cultural para o desenvolvimento sustentável e gerando alterações profundas de comportamento que evitem desequilíbrios".

A carta fala ainda na possibilidade de criação de um "Observatório sobre o exercício do compromisso social das universidades da região" e em potencializar os espaços de intercâmbio e do debate a respeito de assuntos relacionados às universidades e instituições de ensino superior. A expansão da cobertura do ensino superior na América Latina também é abordado, "assegurando a qualidade" e "respeitando o princípio da inclusão social". A questão da internacionalização solidária foi colocada no documento no sentido de fortalecer as mais diversas ações destinadas à cooperação e integração.

A carta posiciona os participantes no sentido de pedir aos respectivos governos nacionais que tomem posição contraria à "inclusão da Educação Superior nos acordos do GATS promovidos pela Organização Mundial do Comercio". Ana Lúcia destacou ainda que essas demandas não apenas serão encaminhadas por cada universidade ao seu governo local, mas servirão ainda de base de dados para a conferencia regional de educação superior que será realizada em junho de 2008 na Colômbia. "E também para subsidiar o reitor Paulo Steiler, da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), que é o representante da América Latina e Caribe na Comissão Internacional que fará a preparação do tema e da programação da Conferencia Mundial de Educação Superior de Paris em 2009", declarou ela.

A diretora do Iesalc se mostrou otimista em relação ao futuro, sobretudo no que diz respeito a ações práticas, já que houve diversos comentários durante o congresso de participantes preocupados com o futuro prático das discussões. "Acredito que já há uma série de iniciativas que foram tomadas. O que estávamos discutindo aqui é como passar de um nível mais disperso e pontual a uma ação integrada e programática, não só em cada instituição, como nessa grande rede que vai cada vez mais se aproximando e buscando reforçar-se mutuamente. As universidades já tem muitas ações que evidenciam seu alto compromisso social, mas tomar esse conceito como uma posição político-programática é talvez a grande mudança.

Acredito que nosso papel é exatamente repercutir essas decisões e as implicações das posições que foram aqui discutidas e debatidas", disse Ana Lúcia.

Ela explicou que um dos objetivos do congresso é justamente potencializar as ações já promovidas pelas universidades. "Aqui foram trocadas experiências, boas praticas foram socializadas, houve uma exposição exemplar de alguns programas que denotam compromisso social e vimos experiências que se apresentaram como possibilidade de integração para a região. Então não só há muita coisa sendo feita, como esse congresso, acredito, vai dar uma otimização, fortalecimento e integração a essas ações que já existem", afirmou.

Agenda de Futuro

O documento final produzido no congresso estabelece ainda uma agenda de futuro com alguns itens. Entre eles a valorização do dinamismo do desenvolvimento das concepções e propostas relacionadas ao compromisso social da educação superior, o caráter insubstituível do Estado como garantia do direito à educação e manutenção da educação superior pública, o fomento da participação universitária na formulação de políticas públicas para o sistema educativo e a proposição aos governos nacionais da criação de organismos multilaterais de estímulo à mobilidade docente e discente na América Latina. Este último item, um dos mais importantes, segundo os congressistas, na missão fundamental de integração latino-americana. "Acho que é na integração que residirá nossa força e esse é o melhor caminho para que possamos avançar", finalizou Ana Lúcia.

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.