text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Maconha afeta a memória, diz estudo

      
Crédito:CLIPAREA l Custom media / Shutterstock.com
Crédito:CLIPAREA l Custom media / Shutterstock.com

 

De acordo com um estudo recém-lançado pela revista científica Cell, a cannabis sativa, mais conhecida como maconha, afeta a memória de trabalho do ser humano, ou seja, a memória de curto prazo, reduzindo a capacidade de armazenar temporariamente e processar informações de raciocinar, compreender e aprender.

 

» Maconha faz bem para os pulmões, diz estudo
» Alimentos com gordura possuem substância química similar a maconha

 

A pesquisa revela ainda que o principal ingrediente psicoativo da droga (tetrahidrocanabinol ou THC) não afeta os neurônios, e sim os astrócitos, células gliais que os suportam e servem como "andaime". Isto implica que os astrócitos, além de alimentar e proteger os neurónios, desempenham um papel ativo na formação de memórias.

 

Em experiências com ratos, os investigadores mostraram que, se os astrócitos carecem de um tipo de receptor chamado CB1R permanecem inalteradas no consumo de memória de uma dose elevada de maconha. No entanto, se este receptor é suprimido a partir dos neurónios do efeito da droga permanece a mesma. Esta é a primeira vez que é mostrado que os efeitos da maconha em memória de curto prazo não está ligada diretamente aos neurônios.

 

Agora, os pesquisadores pretendem explorar as atividades de endocanabinóides endógenos, ou seja, o consumo de cannabis como substâncias produzidas naturalmente pelo corpo. O sistema endocanabinóide está envolvido no apetite, dor, humor e memória.

 

 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.