text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Revolução Americana completa 236 anos

      
Crédito: Shutterstock.com
Crédito: Shutterstock.com

 

A Revolução Americana, ou Guerra de Independência dos Estados Unidos, foi um conflito entre as 13 colônias norte-americanas e a Grã-Bretanha. A causa do conflito diz respeito à maneira como as colônias britânicas queriam ser tratadas pela metrópole e do modo como elas realmente eram tratadas. Desta divergência, portanto, nasceu a guerra que tornaria independente essas 13 colônias, que viriam a formar o que conhecemos hoje por Estados Unidos da América.

 

» 3 bolsas de estudo para os Estados Unidos que você precisa ver
» Piores e melhores carreiras nos Estados Unidos
» Estados Unidos pretende enviar 30 pesquisadores para universidades do Brasil

 

Enquanto os americanos sentiam que mereciam todos os direitos dos ingleses, estes, por outro lado, sentiam que as colônias deveriam existir da maneira que mais conviesse à coroa e ao parlamento.

 

Neste conflito, as 13 colônias deixaram bem claro o grito da Revolução Americana: "No Taxation Without Representation" - em português "Nenhuma tributação sem representação". Os americanos reclamavam, principalmente, dos impostos que deveriam pagar à coroa inglesa.

 

No entanto, esta revolta, que vem de uma certa independência já criada em relação às 13 colônias com a Grã-Bretanha, não foi imediata. Entenda as suas razões:

 

Razões geográficas: A própria distância entre colônia e metrópole criou uma certa independência entre a Inglaterra e as 13 colônias. Além disso, aqueles que saíram da Grã-Bretanha geralmente tinham desejos de novas oportunidades e mais liberdade.

 

Razões legislativas: Algumas leis que levavam em conta a Inglaterra e as 13 colônias, de muitas maneiras, significavam que elas eram independentes. Era uma relação diferente, por exemplo, da relação Brasil-Portugal, América Espanhola-Espanha.

 

Razões salutárias: Embora os ingleses acreditassem no mercantilismo, o Primeiro Ministro Robert Walpole acreditava que uma relação de maior independência e liberdade entre colônia-metrópóle estimulava o comércio.

 

Razões "esclarecidas": Muitos dos líderes revolucionários americanos tinham estudado autores do Iluminismo, como Thomas Hobbes, John Locke, Jean-Jacques Rousseau e Montesquieu. Desta leitura, eles tiraram ideias de liberdade, contrato social, governo limitado, separação de poderes, entre outros.

 

 

Acontecimentos que levaram à Revolução Americana

O caminho para a independência e revolução construiu-se lentamente. Muitos acontecimentos alimentaram o desejo das 13 colônias por independência. Confira os eventos que levaram à Revolução Americana:

 

Guerras entre França e Inglaterra (1754-1763): A guerra entre as 2 potências causou muitos gastos à metrópole, que precisava explorar mais suas colônias para superar os prejuízos. Além disso, com a derrota da França, as colônias se tornaram mais dependentes da Grã-Bretanha por proteção.

 

Proclamação da Lei de 1763: O ato proibia a colonização após as Montanhas do Apalache. Os colonizadores interpretaram esta lei como uma ofensa.

 

"Atos": Os "sugar act, "currency act", "quartering act", "stamp act", "townshed acts", "tea act", "intolerable acts" foram todos atos de taxação contra os americanos. A coroa inglesa passou a cobrar impostos até nos selos utilizados pelos americanos.

 

Depois destas taxações, os americanos se organizaram em congressos e, e 1775, declararam uma rebelião. Depois, disso, a guerra aconteceu. Com o apoio dos franceses, as 13 colônias venceram a disputa e se tornaram independentes. No dia 4 de julho, os Estados Unidos se tornaram o primeiro país dotado de uma constituição política escrita.

 

 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.