text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Como e por que evitar e combater o plágio nos trabalhos acadêmicos

      
8 ferramentas para detectar plágio em trabalhos acadêmicos
O CTRL C + CTRL V pode parecer um ótimo atalho na hora de fazer um trabalho, mas se não usá-lo corretamente, você pode até cometer um crime!  |  Fonte: iStock.com

O plágio em trabalhos acadêmicos não é novidade. A Internet facilitou essa prática, assim como tornou frequente o uso indevido – e até mesmo a compra – de trabalhos prontos.

 

Os professores, porém, não ficam rendidos a esse tipo de ação e também têm à sua disposição sites e softwares que identificam cópias e outras fraudes em projetos acadêmicos. Para os alunos, essas ferramentas e programas que identificam plágio também são úteis, pois podem ajudá-los a se certificar de que realmente não há nenhum problema nesse sentido em seus trabalhos individuais ou em grupo.

 

Quer entender melhor o que é plágio e por que ele é tão prejudicial, além de saber como prevenir essa prática? Quer conhecer 8 ferramentas para verificar plágio? Então leia este guia completo sobre o tema.

O que é plágio e como ele pode destruir carreira e estudos

O famoso “copia e cola” pode prejudicar a carreira de um profissional de maneira definitiva, mesmo nos primeiros anos de estudo. Políticos, personalidades e pesquisadores de renome já perderam seus cargos e credibilidade em função do plágio em trabalhos acadêmicos.

 

Não importa se você está usando livros ou a web, jamais copie as palavras ou até mesmo a ideia de alguém sem creditar esta pessoa. Pode parecer óbvio, mas, na véspera da entrega, com o estresse e a correria, você pode ficar tentado a copiar e colar textos dentro da sua pesquisa. Também é errado copiar do colega.

 

Para que você não caia nessa armadilha, nem cometa fraude por falta de atenção e informação, separamos algumas dicas práticas, exemplos e explicações que facilitam o entendimento sobre esse assunto.

O que é plágio

Podemos dizer que o princípio do plágio é a falta de originalidade. Ele é entendido a partir da legislação de direitos autorais brasileira, regida pela Lei 9610 de 1998, como contrafação, ou seja, a reprodução não autorizada de uma obra intelectual ou de trechos dela. O mero uso de ideias ou abordagens de outras obras, sem as devidas referências e/ou autorização, também pode caracterizar plágio – e, portanto, crime.

 

Mas como fazer essas tais referências? Em trabalhos acadêmicos, as normas que conduzem a apresentação formal das informações são feitas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Entenda as regras

As normas estabelecidas pela ABNT não punem, nem identificam o plágio, apenas estabelecem os padrões de apresentação dos trabalhos, ou seja, elas esclarecem para alunos, pesquisadores e professores como as citações, os dados, as imagens e qualquer outro material devem ser usados na produção acadêmica para que os autores das obras referenciadas recebam os devidos créditos e as pessoas que fazem o trabalho não sejam acusadas de plágio.

 

De acordo com a gestora do Comitê Brasileiro de Informação e Documentação da ABNT, Rosa Correa, as medidas que evitam o plágio nos trabalhos são elaboradas pelas próprias instituições de ensino e pesquisa. 

 

As normas da ABNT são iguais para todas as universidades e instituições, mas Correa acrescenta que “a Norma específica de trabalhos acadêmicos ABNT/NBR 14724 estabelece diferenças bem claras entre o ‘deve’ e o ‘pode’. Quer dizer que o ‘deve’ é sempre igual para todas (as universidades) e o ‘pode’ estabelece as características de cada instituição”. E é exatamente esse um dos principais erros cometidos tanto por alunos, quanto por universidades, conta Rosa. 

 

Para que você não cometa essas falhas é importante buscar as orientações e exigências com seus professores. Eles poderão fornecer as regras atualizadas adotadas pela universidade e ajudar você na elaboração dos trabalhos.

Por que você não deve copiar e colar

Há muitos motivos pelos quais você não deve cometer plágio. Veja os 4 principais:

  • Plágio é crime

Uma pessoa que fez um trabalho original sobre certo assunto deve ser creditada por ele. Se você não faz isso, ou seja, cita o trabalho de outra pessoa sem referenciá-lo ou o usa na íntegra sem autorização do autor, você está cometendo um crime. Se o plágio é crime, isso quer dizer que ele implica em punições. Você poderá ser punido com indenizações por danos morais e materiais e existe até mesmo a possibilidade de ser preso.

  • Você vai tirar zero – e pode ser expulso da instituição

Depois de possivelmente preso, você, seguramente, tirará zero. Simplesmente porque você assumiu que o trabalho de outra pessoa era seu e, portanto, não merece a nota. Se o plágio aconteceu em seu TCC, dissertação de mestrado ou tese de doutorado, pior ainda: você perderá o seu diploma.

 

Nesses casos, é ainda mais fácil detectar o plágio, já que o estudante precisa apresentar o seu trabalho e responder a perguntas à respeito dele. Mesmo em trabalhos menores de faculdade, o plágio pode acarretar a expulsão do aluno da instituição.

  • Você vai arruinar sua imagem

Há diversos profissionais que, devido ao plágio, perderam o emprego e toda a carreira que haviam conquistado. Isso pode arruinar sua imagem no meio acadêmico e fora dele.

  • Você não vai aprender

Fazer os seus próprios trabalhos é essencial para aprender o conteúdo trabalhado e desenvolver suas habilidades de pesquisa e redação. E, acredite, nenhum aprendizado é inútil.

Exemplos e casos famosos

O publicitário João (nome fictício), de São Paulo, diz que cometeu plágio na faculdade, além de ter feito trabalho para outras pessoas. “Fiz plágio porque não pedi autorização para usar (os materiais).”

 

Ele conta que também já foi vítima desse tipo de ação. “Fui a uma entrevista de emprego e um dos testes pedia que fizéssemos textos para uma campanha publicitária. Não passei, mas um tempo depois entrei no site da empresa e meus trabalhos tinham sido colocados lá, sem me pedirem autorização e sem créditos.”

 

Há muitos casos de estudantes e professores que perderam seus títulos de mestre, doutor ou até mesmo o emprego por causa de plágio. E se você pensa que esta é uma prática exclusiva de anônimos, está enganado(a).

 

Na Alemanha, dois ministros renunciaram na última década por causa de plágio descoberto em suas teses de doutorado. Em 2012, na Hungria, o então presidente Pal Schmitt perdeu seu título de doutor e renunciou à presidência do país por denúncias de plágio.

 

Também já foram acusados de plágio personalidades mundialmente famosas, como Vladimir Putin e a autora da série de livros Harry Potter, J. K. Rowling. A escritora foi denunciada por supostamente plagiar a obra de um autor falecido, Adrian Jacobs, mas o juiz da causa alegou que as provas da autora eram “muito fortes” e que o senhor Allen (representante do autor supostamente plagiado) não tinha provas diretas para desafiá-las.

 

Portanto, tome muito cuidado quando for usar o trabalho de outras pessoas. É preciso deixar claro o que você parafraseou ou citou de outras pesquisas e o que é original do seu trabalho.

 

Lembre-se que o maior interessado em seu desenvolvimento acadêmico é você mesmo, pois os resultados do seu estudo e do seu esforço serão colhidos exclusivamente por você. Não deixe que o plágio destrua sua credibilidade e educação, mas invista seu tempo em pesquisas válidas e legítimas, que contribuam para seu desenvolvimento.

Outras formas de fraude

Na internet, há profissionais que se oferecem para realizar monografias e outros projetos, com a promessa de trabalhos exclusivos, garantindo até mesmo que o aluno pode acompanhar o processo e sugerir bibliografias. Imagine que o serviço oferecido seja realmente verdadeiro e, de fato, um trabalho 100% original seja oferecido. Ainda assim, esse tipo de artimanha configura fraude – e os professores estão cada vez mais atentos a ela.

 

Se descoberto o problema, o que pode facilmente ser feito a partir de algumas perguntas para o falso autor do trabalho a respeito do conteúdo do projeto, o aluno será punido com nota zero, perda do diploma no caso de trabalhos de conclusão de grau e até possível expulsão.

 

Isso sem contar que, se você passa a responsabilidade de fazer um trabalho acadêmico para outra pessoa, não há garantias de que o projeto será realmente original, não conterá plágio e apresentará qualidade suficiente para obter a nota desejada.

Estratégias de prevenção de plágio

Professores dos mais diversos níveis de ensino estão ficando cada vez mais atentos ao problema do plágio e têm agido não só de forma a detectá-lo, mas também a preveni-lo. Se você é professor(a), saiba que antes de utilizar programas que identificam plágio, pode empregar estratégias de trabalho que combatam essa prática.

 

Confira 4 estratégias de prevenção de plágio que funcionam:

  • Oriente os alunos

Explicar para os alunos as consequências e características do plágio é muito importante . O fácil acesso aos trabalhos prontos faz com que o erro seja banalizado e o esforço pela nota seja desfavorecido. Se perceber que seus alunos estão com dificuldades de interpretação, falta de tempo por conta de um emprego ou qualquer outra circunstância que possa abrir margem para a cópia, opte pelo diálogo de prevenção e conscientização.

  • Peça algo diferente dos seus alunos

Para evitar que alunos usem trabalhos prontos disponíveis na Internet, muitos educadores têm elaborado melhor e com mais detalhes o que é pedido dos estudantes. Em vez de um enunciado básico como "Fale sobre a Revolução Russa", por exemplo, os professores têm preferido algo como "Fale sobre a participação dos grupos políticos durante a Revolução".

 

Uma boa ideia é pedir também uma análise crítica e opinativa dos alunos sobre o tema. Peça trabalhos que envolvam interpretação e que exijam que os alunos argumentem, não só repitam informações. Você também pode exigir uma apresentação oral do trabalho ou realizar um debate em sala de aula. Além disso, a citação das fontes de pesquisa se tornou essencial até mesmo para trabalhos de ensino fundamental e médio, portanto, mostre aos alunos como eles devem realizá-la.

  • Dê exemplos de plágio

Dê exemplos de plágio fora das salas de aula para os alunos entenderem a seriedade do problema. Fale sobre personalidades famosas e pessoas em cargos importantes que foram processados ou até tiveram a carreira encerrada por causa do plágio.

  • Ensine os alunos a usarem fontes on-line

Já não é possível ignorar a Internet, nem fingir que esta não é a principal fonte de informações dos alunos hoje. Incentive-os, sim, a usar livros e a visitar a biblioteca, mas também ensine-os a identificar fontes confiáveis on-line e a citá-las em seus trabalhos da forma correta.

8 ferramentas para verificar plágio

Para verificar o plágio em trabalhos, há muitas opções disponíveis atualmente on-line. As ferramentas e programas que identificam plágio surgiram para ajudar a combater esse problema crescente e podem ser usadas tanto para professores que estão corrigindo trabalhos quanto por estudantes que querem ter a certeza de que não há qualquer plágio em seus projetos individuais ou em grupo.

  • Turnitin

O Turnitin oferece um detector de identificação de plágio em quase 20 idiomas, inclusive em português, e é usado por mais de 1 milhão de professores em todo mundo. Ele informa aos professores a porcentagem do conteúdo que não é autêntica, destacando as linhas nas quais houve plágio pelo estudante, além de mostrar a fonte do conteúdo original. No entanto, o uso do software só é possível se a sua instituição de ensino aderir a ele. Não há como usá-lo individualmente.

  • Plagius

O Plagius é um software disponível em português, espanhol ou inglês, que analisa documentos de diversos formatos em busca de verificar plágio. Ele oferece relatórios detalhados, com os trechos suspeitos e as referências encontradas, a frequência das ocorrências e o percentual de suspeitas de plágio.

 

Este detector de plágio pode ser usado na versão de teste gratuita ou nas versões pagas: com a licença básica, mais barata, ou com as licenças profissionais, que oferecem mais recursos e permitem analisar vários arquivos de uma só vez.

  • DupliChecker

O DupliChecker é um detector de plágio gratuito, disponível para vários idiomas – entre eles, o português. Você só precisa colar o texto, carregar o arquivo no site ou copiar o endereço de uma URL que queira investigar e pronto, em poucos minutos os resultados aparecem. Embora não seja a opção mais rigorosa e completa, esta é uma ferramenta de uso fácil e rápido.

  • CopySpider

O CopySpider é um software gratuito que detecta plágio a partir de outros textos disponíveis on-line. O programa precisa ser baixado no computador e funciona com agilidade e facilidade. Também há uma versão paga, ideal para verificar uma grande quantidade de documentos.

  • PaperRater

O PaperRater oferece um detector de plágio que compara o texto a ser verificado com 10 bilhões de documentos impressos e on-line. Para usar a ferramenta, basta copiar e colar o texto desejado na caixa de pesquisa no site ou fazer o upload do arquivo. É possível usar o site gratuitamente, mas a versão gratuita só permite que um número limitado de pesquisas sejam feitas.

  • Viper

O Viper se oferece como uma alternativa com melhor custo-benefício frente ao Turnitin. Com uma versão gratuita, mas também opção de escaneamento pago com preços mais baratos que o Turitin, este detector de plágio pode ser uma boa opção para professores e alunos que não se importam em usar a plataforma em inglês, já que não há tradução para o português. A versão gratuita apresenta algumas limitações, inclusive número limitado de verificações semanais; para resolver isso, adquira a licença Premium.

  • Plagscan

O PlagScan é uma ferramenta para verificar plágio com planos distintos para indivíduos e instituições, além de uma versão de teste gratuita e temporária. Também é possível realizar análises simples e limitadas no próprio site, colando o texto na caixa de pesquisa ou fazendo o upload do documento.

  • Anti-Plagiarism

O Anti-Plagiarism é um software gratuito que faz vastas pesquisas na Internet em busca de sinais de plágio em um documento. É possível carregar arquivos em diversos formatos e o resultado aparece rapidamente.

 

Agora que você já conhece essas opções de programas que identificam plágio e sabe como e por que evitá-lo, descubra como combater outro problema frequente, embora menos grave, nos trabalhos acadêmicos: os temidos erros de português!


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.