text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Haddad planeja criar polos de ensino a distância para professores

      
imagen-relacionada
Crédito: Shutterstock.com

 

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, planeja transformar os CEUS (Centro Educacional Unificado) da cidade em polos da UAB (Universidade Aberta do Brasil), um sistema integrado por diversas instituições públicas do País que oferece educação a distância. Ao levar a UAB para os CEUs, a intenção é que os professores possam fazer mestrado, que pode até ser profissional, perto de casa, num ambiente que ele já conhece. “O professor tem que se sentir pertencente a um centro de formação. Nós já estamos fazendo o credenciamento e convocando universidades para início imediato”, disse Haddad em evento na segunda-feira (18) promovido pelas organizações Inspirare/Porvir e Todos Pela Educação.

 

» Capes seleciona 30 mil professores da rede pública para formação inicial
» 7 dicas de desenvolvimento profissional para professores
» Piso salarial dos professores será reajustado em 7,97%

 

Segundo informações do portal Porvir, outra proposta apresentada pelo prefeito, que estava acompanhado do secretário da Educação, Cesar Callegari na quarta edição da Série de Diálogos "O Futuro Se Aprende" - com a presença de educadores e representantes da imprensa, é a adoção do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) , criado no governo federal quando era ministro. Para Haddad, a iniciação à docência é uma possibilidade concreta de fazer com que o aluno de licenciatura transite e leve o que acontece na escola para a academia. O programa dá bolsas a alunos de cursos presenciais que façam estágio em escolas públicas. A ideia é conceder ao menos 3 mil bolsas para estudantes que optem por fazer seu tempo de prática na rede municipal.

 

“É esse bolsista que pode ajudar a rede municipal no aumento da jornada de 4 horas para 7 horas e na adoção do Mais Educação (programa de educação integral do governo federal)”, disse Haddad. Com a limitação física de espaço, fazer com que os alunos fiquem mais tempo na escola pode significar que eles fiquem mesmo fora dela. “Nós subordinamos os demais equipamentos públicos [biblitecas, praças, museus] à lógica da cidade educadora, ampliando os espaços de aprendizagem. É uma lógica de acolhimento”, diz o prefeito, que planeja começar pelas escolas com Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mais baixo.

 

 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.