text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Conheça a tríade do parnasianismo e baixe diversas obras

      
Conheça a tríade do parnasianismo e baixe diversas obras
Conheça a tríade do parnasianismo e baixe diversas obras  |  Fonte: Shutterstock.com

 


Desde o início, até quase o fim do século XIX, as poesias e prosas românticas eram as mais populares entre o público. Livros de José de Alencar vendiam aos montes e as senhoras burguesas passavam as tardes lendo poesias românticas. Entretanto, nas últimas décadas do século XIX, o romantismo começou a ficar saturado. Tanto no Brasil, quanto na Europa, os artistas literários passaram a ser influenciados pelos desenvolvimentos técnicos e científicos da época. Não havia mais espaço para o sentimentalismo e a subjetividade.

 

Leia também:
» Mais de 1.000 livros grátis para download
» Um pouco de arte para sua vida: Explore obras de arte famosas

 

O parnasianismo surgiu primeiramente na França, depois que vários autores decidiram abandonar a emoção por acharem que ela prejudicava e desmerecia a verdadeira poesia. Enquanto o realismo e o naturalismo cresciam na prosa, a poesia começava a se transformar em parnasianismo. O lema era a "arte pela arte", bem diferente do Romantismo.

O nome "parnaso", na mitologia grega, remetia ao monte do deus Apolo e das musas da poesia. Além de emprestar o nome dos mitos gregos, o parnasianismo também tinha como objetivo retomar as regras e normas clássicas de literatura. Os autores desejavam buscar uma poesia que fosse mais objetiva, bem escrita e racionalista, ou seja, uma poesia que obtivesse o máximo de sua capacidade.


Além do cuidado com as palavras, os parnasianos também se preocupavam muito com a métrica e o ritmo. As poesias parnasianas possuem formas perfeitas, com rimas raras, rigidez formal e estruturas fixas, havendo preferência por sonetos.


Os temas abordados, na grande maioria das vezes, fugiam do sentimentalismo e subjetivismo. Muitos poemas eram simplesmente descritivos, ou seja, o autor só descrevia algo que ele estava olhando. Os poetas, também, atentavam-se aos detalhes e os descreviam por diversos versos, singularizando cada objeto. O nome dessa técnica era "preciosismo", pois, segundo eles, cada coisa, desde que transformada em poesia, seria preciosa.


O parnasianismo foi o movimento literário mais popular no Brasil, até a ascensão do Modernismo. Muitos poetas brasileiros abraçaram o parnaso e, por isso, a produção cultural era muito grande. O primeiro registro de obra com essas características foi em 1878, "Canções Românticas", de Alberto Oliveira. Após voltar de Paris, o autor baseou-se no que havia visto na capital da França e escreveu o seu próprio trabalho. A partir disso, diversos outros escritores foram influenciados por esse movimento, e ele cresceu no Brasil.


Apesar de possuirmos muitos nomes brasileiros no parnasianismo, houve três autores que se destacaram: Olavo Bilac, Raimundo Correia e Alberto de Oliveira. Eles ficaram conhecidos como a "tríade parnasiana" e eram altamente reconhecidos pelos leitores e críticos. Entretanto, mesmo sendo reconhecido como um participante do parnasianismo, Olavo Bilac escreveu poesias com grande influência romântica. Em uma das suas obras mais conhecidas, "Via Láctea", Bilac tenta explicar a sensação de estar apaixonado.


Ficou interessado em ler obras parnasianas? Confira, a seguir, diversos poemas e livros da época e baixe-os gratuitamente:

 

  • Olavo Bilac

1.» Alma Inquieta

2.» As Viagens

3.» Contos para Velhos

4.» O Caçador de Esmeraldas

5.» Panóplias

6.» Profissão de Fé

7.» Sarças de Fogo

8.» Tarde

9.» Via-Láctea

10.» Hino à Bandeira

 

  • Raimundo Correia

1.» Alleluias, de Raimundo Correia

2.» Primeiros Sonhos e Poesias, de Raimundo Correia

3.» Versos e Versões, de Raimundo Correia



  • Francisca Julia

1.» Esphinges, de Francisca Julia

2.» Livro da Infancia, de Francisca Julia



  • Vicente de Carvalho

1.» Poemas e Canções, de Vicente de Carvalho

2.» Relicário, de Vicente de Carvalho

3.» Rosa, Rosa de Amor, de Vicente de Carvalho

4.» Versos da Mocidade, de Vicente de Carvalho



  • Luís Delfino

1.» Algas e Musgos, de Luís Delfino

 


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.