text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Separação de alunos por gênero é adotada em escola norte-americana

      
<p>Há alguns anos, a <strong><a title=Capacitação dos professores é determinante para garantir a paridade de gênero na educação href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/04/09/1122966/capacitaco-professores-determinante-garantir-paridade-genero-educaco.html>divisão de alunos conforme o gênero</a></strong> poderia ser mais comum no ambiente educacional. Atualmente, isso pode ser considerado algo raro, já que em muitas escolas, sobretudo naquelas localizadas em países ocidentais e de cultura capitalista, esse tipo de separação entre diferentes sexos, em geral, não ocorre mais.</p><p> </p><p><span style=color: #333333;><strong>Veja também:</strong></span><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Alunos de instituições mais pobres tem pior desempenho escolar, diz estudo href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/11/03/1133182/alunos-instituices-pobres-pior-desempenho-escolar-diz-estudo.html>»<strong>Alunos de instituições mais pobres tem pior desempenho escolar, diz estudo </strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Segundo Unesco, número de crianças e adolescentes fora das escolas aumenta href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/07/07/1127902/segundo-unesco-numero-criancas-adolescentes-escolas-aumenta.html>»<strong>Segundo Unesco, número de crianças e adolescentes fora das escolas aumenta</strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Todas as notícias de Educação href=https://noticias.universia.com.br/educacao>» <strong>Todas as notícias de Educação</strong></a></p><p> </p><p>Contudo, de acordo com uma reportagem publicada pelo canal CNN, a separação dos estudantes pelo gênero é uma realidade na escola norte-americana <strong>Woodbridge Middle School</strong>, localizada no estado de Virgínia, <strong>nos</strong>  <strong>Estados Unidos</strong>. Segundo a matéria, apesar das críticas que tem recebido, a instituição assegurou que houve <strong><a title=Entenda por que alunos com notas medianas podem ser super bem-sucedidos href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/07/27/1128926/entenda-alunos-notas-medianas-podem-super-bem-sucedidos.html>melhoras significativas na nota dos alunos</a></strong> a partir da adoção da medida.</p><p> </p><p>Segundo a rede de notícias, essa divisão passou a ser <strong>aplicada na escola há três anos </strong>como uma espécie de teste, realizado para comprovar a ideia de que <strong>meninos e meninas aprendem de uma maneira diferente</strong>. De acordo com uma das professoras da instituição entrevistada pelo canal, desde que o programa começou a ser colocado em prática, as notas de leitura em todas as salas de aulas masculinas melhoraram e os problemas de comportamento diminuíram.</p><p> </p><p>De acordo com outra educadora entrevistada pelo site, foi observado que, durante as aulas de Matemática ministradas em <strong>classes exclusivamente femininas</strong>, o agrupamento das carteiras próximas umas as outras está ligado à ideia de que meninas aprendem melhor quando estão em um ambiente mais conjunto e cooperativo. A professora apontou que esse tipo de organização trouxe melhoras significativas na performance das estudantes. Para ela, “as alunas apresentam uma melhor compreensão da matéria devido à maneira como elas têm sido instruídas”.</p><p> </p><p><strong>O lado crítico</strong></p><p>A reportagem da CNN também destacou o lado crítico da separação por gênero. Para o professor e escritor David Sadker, ao invés de organizar as turmas em masculino e feminino, as escolas deveriam trabalhar de outra forma para melhorar o desempenho em sala de aula. Para ele, <strong>“ensinar com base em estereótipos”</strong> acaba restringindo a opção dos próprios estudantes. De acordo com sua declaração ao site, organizar as escolas conforme o sexo dos alunos para melhorar as notas é “uma solução barata para um problema muito mais profundo”.</p><p> </p><blockquote style=text-align: center;>O que você pensa sobre a divisão de alunos por gênero? Queremos saber a sua opinião. Comente abaixo!</blockquote>
Fonte: Shutterstock

Há alguns anos, a divisão de alunos conforme o gênero poderia ser mais comum no ambiente educacional. Atualmente, isso pode ser considerado algo raro, já que em muitas escolas, sobretudo naquelas localizadas em países ocidentais e de cultura capitalista, esse tipo de separação entre diferentes sexos, em geral, não ocorre mais.

 

Veja também:
»Alunos de instituições mais pobres tem pior desempenho escolar, diz estudo
»Segundo Unesco, número de crianças e adolescentes fora das escolas aumenta
» Todas as notícias de Educação

 

Contudo, de acordo com uma reportagem publicada pelo canal CNN, a separação dos estudantes pelo gênero é uma realidade na escola norte-americana Woodbridge Middle School, localizada no estado de Virgínia, nos  Estados Unidos. Segundo a matéria, apesar das críticas que tem recebido, a instituição assegurou que houve melhoras significativas na nota dos alunos a partir da adoção da medida.

 

Segundo a rede de notícias, essa divisão passou a ser aplicada na escola há três anos como uma espécie de teste, realizado para comprovar a ideia de que meninos e meninas aprendem de uma maneira diferente. De acordo com uma das professoras da instituição entrevistada pelo canal, desde que o programa começou a ser colocado em prática, as notas de leitura em todas as salas de aulas masculinas melhoraram e os problemas de comportamento diminuíram.

 

De acordo com outra educadora entrevistada pelo site, foi observado que, durante as aulas de Matemática ministradas em classes exclusivamente femininas, o agrupamento das carteiras próximas umas as outras está ligado à ideia de que meninas aprendem melhor quando estão em um ambiente mais conjunto e cooperativo. A professora apontou que esse tipo de organização trouxe melhoras significativas na performance das estudantes. Para ela, “as alunas apresentam uma melhor compreensão da matéria devido à maneira como elas têm sido instruídas”.

 

O lado crítico

A reportagem da CNN também destacou o lado crítico da separação por gênero. Para o professor e escritor David Sadker, ao invés de organizar as turmas em masculino e feminino, as escolas deveriam trabalhar de outra forma para melhorar o desempenho em sala de aula. Para ele, “ensinar com base em estereótipos” acaba restringindo a opção dos próprios estudantes. De acordo com sua declaração ao site, organizar as escolas conforme o sexo dos alunos para melhorar as notas é “uma solução barata para um problema muito mais profundo”.

 

O que você pensa sobre a divisão de alunos por gênero? Queremos saber a sua opinião. Comente abaixo!

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.