text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Em protesto, manifestantes ocupam 25 escolas em São Paulo

      
Fonte: Shutterstock

Segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira (16) pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial no Estado de São Paulo (Apeoesp), 25 escolas estaduais estão ocupadas por estudantes, em protesto à reorganização escolar prevista para o ano letivo de 2016.

 

Veja também:

» Brasil tem queda no índice de analfabetos, diz pesquisa
» Lei de Cotas garante 150 mil vagas a estudantes negros
» Todas as notícias de Educação

 

O projeto de reorganização do ensino, que é uma proposta da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, prevê o fechamento de 94 escolas da rede pública estadual e a transferência de 311 mil alunos para outras escolas. Se principal objetivo é organizar os estudantes em unidades de ensino conforme seu ciclo escolar, que pode ser Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio.

 

Em entrevista ao portal Universia Brasil, o dirigente regional de ensino professor Sandoval Cavalcante disse que a reestruturação visa, antes de qualquer coisa, “melhorar a qualidade de ensino no estado de São Paulo e não representa uma ameaça aos alunos, professores e gestores”.

 

O dirigente também contou à reportagem que a mudança foi motivada por uma pesquisa da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), que constatou que escolas de ciclo único já existentes em São Paulo têm rendimento 10% maior do que aquelas com segmentos distintos. “A pesquisa também concluiu que, nos últimos 20 anos, o número de alunos da rede pública estadual diminuiu de, aproximadamente, 6 milhões para 4 milhões”, disse Cavalcante, para justificar o fechamento de unidades de ensino.

 

Desde a última sexta-feira (13), o número de escolas ocupadas mais que triplicou, contemplando instituições da capital e também da Grande São Paulo.O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) também se juntou aos estudantes em apoio ao protesto, e já ocupa pelo menos quatro unidades na zona sul da capital paulista.

 

Em nota, a Secretaria da Educação afirmou que está disposta a dialogar com os alunos e manifestantes e lamentou que grande parte das invasões sejam lideradas por movimentos que desconhecem as propostas da reorganização do ensino em São Paulo.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.