text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Entender o bullying é mais eficiente do que punir, indica artigo

      
Fonte: Shutterstock

O bullying é uma ocorrência bastante comum, principalmente no ambiente escolar, e é definido como um tipo de agressão - física ou verbal - que ocorre de uma forma frequente contra quem tem dificuldades para se defender. Segundo estudo publicado no blog TeachThought, a tendência é que a definição para essa prática seja mantida nos próximos anos, mesmo que as formas como o bullying é praticado possam ser diferentes.

 

Você pode ler também:
» Professor: aprenda a combater o bullying durante as aulas
» Lei antibullying para escolas e clubes é sancionada
» Todas as notícias de Educação

 

Segundo Terry Heick, educador que desenvolveu o artigo, umas das principais diferenças entre o bullying atual e o antigo consiste no maior número de possibilidades de praticar esse tipo de violência, considerando um cenário marcado por diversas ferramentas tecnológicas, sendo a internet uma das principais delas. Para Heick, a essência do bullying não foi alterada. O que mudou foi apenas as formas de praticá-lo.

 

Punir é a solução?

Para o professor, o mais eficiente para solucionar uma situação de bullying seria investigar o comportamento dos envolvidos ao invés de “demonizá-los” ou puni-los. Para ele, é importante entender quais são as raízes do problema, deixando claro que se trata de algo que costuma acontecer com todas as pessoas e pode variar de acordo com o grau, comportamento e ambiente. Contudo, trata-se de uma prática solucionável.

 

Cyberbullying e cidadania digital

O artigo ainda aponta que a tecnologia pode ter duas utilidades completamente opostas: pode ser usada tanto para despertar características boas quanto ruins nas pessoas. Para Heick, o cyberbullying é apenas mais uma forma de praticar um tipo de violência que há anos é cometida, tanto no ambiente educacional quanto no profissional. De acordo com ele, um possível caminho é o que ele chama de “cidadania digital”, ou seja, a compreensão ao colocar-se no lugar da outra pessoa.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.