text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Relatório compara salários de professores do Brasil e do mundo

      
Fonte: Shutterstock

O relatório Education at a Glance 2015, realizado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), lançado internacionalmente nesta terça-feira (24), indicou que os recursos destinados à remuneração de educadores no Brasil é abaixo da média dos outros países membros da organização.

 

Você pode ler também:

» Corretoras e instituições financeiras são as áreas com melhores salários, diz pesquisa
» Brasil tem queda no índice de analfabetos, diz pesquisa
» Todas as notícias de Educação

 

O relatório é considerado um dos comparativos mais completos sobre a educação ao redor do mundo, já que contempla dados de 46 países, sendo 34 membros da OCDE e o restante países parceiros ou que pertencem ao G20, grupo formado pelas 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia.

 

De acordo com a pesquisa, 73% das despesas com educação no Brasil são focadas em remuneração de pessoal, enquanto nos outros países o montante é de 79%. Segundo a publicação, “embora não haja uma relação direta, esses valores podem refletir o níveis dos salários dos professores [...]. Salários iniciais para professores com qualificação mínima são os mesmos para cada nível desde a pré-escola até o ensino médio e estão entre os mais baixos para todos os países e parceiros da OCDE”.

 

Salário dos professores

Atualmente, o piso salarial para professores no Brasil é de R$ 1.917, 78, seguindo a Lei do Piso. Segundo o relatório, esse valor é duas vezes menor do que a média salarial para professores de pré-escola das outras nações da OCDE.

 

Gasto por aluno

Outro dado apresentado no relatório é o gasto anual por aluno de cada um dos países membros. No Brasil, cada estudante representa um investimento de US$ 3.441, enquanto a média mundial é de US$ 5.876.

 

Investimento em educação

Contudo, o Governo Federal, por meio do Plano Nacional de Educação (PNE), prevê uma meta de investimento de pelo menos 10% do PIB em educação até 2024. Outra meta estipulada no plano é equiparar, em até seis anos, os salários dos professores das redes públicas de educação básica com os de outros profissionais com posições equivalentes, mas que atuem em outras instituições de ensino.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.