text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Brasil investe mais em educação, mas tem baixa escolaridade

      
Fonte: Shutterstock

Segundo o relatório internacional Education at a Glance 2015, da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado nesta terça-feira (24), 76% dos brasileiros de 20 a 24 anos não estudam e 52% estão desempregados.

 

Você pode ler também:

» Relatório compara salários de professores do Brasil e do mundo
» Brasil tem queda no índice de analfabetos, diz pesquisa
» Todas as notícias de Educação

 

Em comparação com os outros 46 países analisados na pesquisa, o Brasil é o que tem o maior percentual de jovens que não realizam algum tipo de atividade acadêmica ou escolar. Segundo o estudo, a média mundial para essa faixa etária é de 54%.

 

O número de pessoas de 20 a 24 anos que não trabalham também é maior no Brasil, quando comparado às outras nações pesquisadas. De acordo com o Education at a Glance 2015, a média internacional é de 36%.

 

Na faixa etária dos 15 ao 29 anos, constatou-se que, no ano de 2013, 20% dos brasileiros não estudavam nem trabalhavam. O percentual também supera a média da OCDE, mas é bastante próximo aos índices de outros países latino-americanos, como Chile (19%) e Colômbia (21%).

 

Escolaridade

De acordo com o relatório, chega a quase 40% o número de pessoas de 25 a 34 anos que não concluíram o ensino médio. Entre os adultos de 55 a 64, o percentual chega a 72%. No ensino superior, apenas 15% dos jovens conseguiram o diploma, e na faixa etária de 55 a 64 anos, 11% conseguiram completar a graduação.

 

Investimentos em educação

Apesar de ter perdido em indicadores como nível de escolaridade, o Brasil se destacou como um grande investidor em educação pública, superando 30 dos 46 países analisados pela OCDE. Em 2012, por exemplo, foi investido um total de 4,7% do PIB em educação, enquanto a média internacional ficou em 3,7%.

 

Nesse mesmo ano, 17,2% dos investimentos públicos foram destinados a fins educacionais, fazendo com que o Brasil ficasse atrás, apenas, da Austrália e Nova Zelândia. Além disso, o investimento por aluno cresceu 210% em relação a 2005, contra um aumento de 121% da média mundial.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.