text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

“A Fuvest seleciona de verdade”, diz professor

      
Fonte: Universia Brasil

Neste domingo (29), aconteceu a primeira fase do vestibular da Fuvest 2016, que é porta de entrada para os cursos da Universidade de São Paulo (USP) e também da Escola de Ciências Médicas da Santa Casa. Ao todo, 142,6 mil estudantes se candidataram para o exame, que neste ano estava ainda mais concorrido do que nas edições passadas.

 

Você pode ler também:

» Fuvest 2016: veja o gabarito oficial
» Mais da metade dos inscritos na Fuvest 2016 são mulheres
» Todas as notícias de Educação

 

Para entender como foi a prova da Fuvest 2016, a Universia Brasil conversou com Márcio Guedes, que é coordenador do curso Poliedro de São José dos Campos. Para ele, ao contrário da tendência de mudança que tomou conta do Enem 2015, a Fuvest trouxe as mesmas características das outras edições: uma prova bastante conteudista e com alto nível de exigência.“Ela cobrou temas clássicos do ensino médio, teve um grau de dificuldade considerado difícil para os alunos [...] e teve um maior número de questões com grau de dificuldade elevado”, afirma.

 

Segundo Guedes, a equipe de professores do Poliedro elegeu a parte de exatas como a mais desafiadora na prova. “As questões de exatas estavam exigentes, trabalhosas e com dificuldade. Elas exigiam um volume grande de atividades do aluno, muitas etapas de raciocínio e muitos cálculos”, comenta.

 

“História e Geografia estavam pertinentes com o que sempre é cobrado. Geografia foi uma prova bem clássica, que se utilizou bastante de mapas, tabelas e gráficos. História, por sua vez, teve uma cobrança muito maior de conteúdos ligados à História Geral do que à História do Brasil. Seus textos também estavam bastante extensos e exigiam do aluno uma capacidade de interpretação muito grande”, conta Guedes.

 

Sobre questões polêmicas, o coordenador disse que nenhuma resposta foi questionada ou classificada como dúbia, mas que um dos exercícios da prova de Biologia apresentava um nível de cobrança muito além do esperado para uma primeira fase. “A questão 43 da prova V é uma questão que exigia um detalhamento muito minucioso, que podia atrapalhar o aluno em uma momento de cansaço ou nervosismo”, explica. O exercício questionava sobre gametas e reprodução em mamíferos.

 

Apesar do caráter conteudista da prova, houve questões interdisciplinares que misturaram matérias como química e matemática. “Foram questões muito bem elaboradas, que exigiam do aluno raciocínio lógico, além do conhecimento do conteúdo”, conta o professor do Poliedro.

 

De uma forma geral, Guedes acredita que, no vestibular deste ano, a Fuvest foi, simplesmente a Fuvest. “A Fuvest seleciona de verdade. Ela separa o aluno bem preparado daquele que não está. Ela exigiu raciocínio, resgate da matéria, poder de interpretação e também capacidade para administrar bem o tempo da prova”, finaliza.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.