text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Abraço Cultural tem refugiados como professores de idiomas

      
<p>O projeto <strong>Abraço Cultural</strong> já está em sua 5ª edição, no entanto, apesar da relevância social, ainda é conhecido por poucos. Idealizada na cidade de São Paulo, pelo <strong>Instituto Adus</strong>, de reintegração do refugiado, e pela <strong>plataforma Atados</strong>, a iniciativa tem como objetivo inserir refugiados no mercado de trabalho, por meio de aulas de idioma e cultura, e promover trocas de experiências entre <strong>brasileiros e estrangeiros</strong>.</p><p> </p><p><span style=color: #333333;><strong>Você pode ler também:</strong></span><br/><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Refugiados poderão aprender português de graça href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/11/30/1134240/refugiados-poderao-aprender-portugues-graca.html>» <strong>Refugiados poderão aprender português de graça</strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Garota afegã passou 5 anos se vestindo de menino para poder estudar href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/11/18/1133829/garota-afega-passou-5-anos-vestindo-menino-poder-estudar.html>» <strong>Garota afegã passou 5 anos se vestindo de menino para poder estudar</strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Todas as notícias de Educação href=https://noticias.universia.com.br/educacao>» <strong>Todas as notícias de Educação</strong></a></p><p> </p><p>Nos últimos anos, milhares de imigrantes chegaram ao Brasil, vindos de países devastados pela guerra, fome e conflitos políticos, como Síria, Haiti e algumas nações africanas. Grande parte deles <strong>não consegue se recolocar profissionalmente</strong>, apesar da formação acadêmica e experiência profissional. Entre os empecilhos está a língua, as diferenças culturais e, também, o preconceito.</p><p> </p><p>Criado em abril de 2015, o Abraço Cultural já transformou a vida de 28 refugiados, que atuam como professores de idiomas, <strong><a title=4 dicas para você aprender um novo idioma rapidamente href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/12/28/1135025/4-dicas-aprender-novo-idioma-rapidamente.html>ensinando suas línguas maternas para alunos do Brasil</a></strong>. Entre as opções de curso disponíveis estão os idiomas francês, árabe, espanhol e inglês, com turmas de nível básico, intermediário e conversação.</p><p> </p><p>Na sua primeira edição, em julho do ano passado, o Abraço Cultural tinha como objetivo captar 40 alunos para os cursos, mas acabou recebendo mais de 500 inscrições de pessoas interessadas. Em menos de um ano de existência, 300 estudantes já participaram do programa e 70 voluntários foram engajados. Agora, o próximo passo do projeto é implantar a primeira turma de idiomas com refugiados na cidade do <strong>Rio de Janeiro</strong>.</p><p> </p><p>As inscrições para a próxima edição do programa já estão abertas, com início das aulas previsto para o dia 29 de fevereiro, terminando no dia 30 de junho. As aulas acontecem duas vezes por semana, em dois endereços da capital paulista, sendo um no bairro de Cerqueira César e outro em Pinheiros. Além do curso, o programa organiza <strong>aulas culturais abertas ao público</strong>, em uma sexta-feira de cada mês, com discussões sobre os costumes de cada país, danças e comidas típicas.</p><p> </p><p>Para se inscrever, conhecer melhor a iniciativa e consultar os valores dos cursos, <strong><a title=Abraço Cultural href=https://abracocultural.com.br/>acesse o site oficial do Abraço Cultural</a></strong>.</p>
Fonte: Crédito: Ilana Goldsmid

O projeto Abraço Cultural já está em sua 5ª edição, no entanto, apesar da relevância social, ainda é conhecido por poucos. Idealizada na cidade de São Paulo, pelo Instituto Adus, de reintegração do refugiado, e pela plataforma Atados, a iniciativa tem como objetivo inserir refugiados no mercado de trabalho, por meio de aulas de idioma e cultura, e promover trocas de experiências entre brasileiros e estrangeiros.

 

Você pode ler também:

» Refugiados poderão aprender português de graça
» Garota afegã passou 5 anos se vestindo de menino para poder estudar
» Todas as notícias de Educação

 

Nos últimos anos, milhares de imigrantes chegaram ao Brasil, vindos de países devastados pela guerra, fome e conflitos políticos, como Síria, Haiti e algumas nações africanas. Grande parte deles não consegue se recolocar profissionalmente, apesar da formação acadêmica e experiência profissional. Entre os empecilhos está a língua, as diferenças culturais e, também, o preconceito.

 

Criado em abril de 2015, o Abraço Cultural já transformou a vida de 28 refugiados, que atuam como professores de idiomas, ensinando suas línguas maternas para alunos do Brasil. Entre as opções de curso disponíveis estão os idiomas francês, árabe, espanhol e inglês, com turmas de nível básico, intermediário e conversação.

 

Na sua primeira edição, em julho do ano passado, o Abraço Cultural tinha como objetivo captar 40 alunos para os cursos, mas acabou recebendo mais de 500 inscrições de pessoas interessadas. Em menos de um ano de existência, 300 estudantes já participaram do programa e 70 voluntários foram engajados. Agora, o próximo passo do projeto é implantar a primeira turma de idiomas com refugiados na cidade do Rio de Janeiro.

 

As inscrições para a próxima edição do programa já estão abertas, com início das aulas previsto para o dia 29 de fevereiro, terminando no dia 30 de junho. As aulas acontecem duas vezes por semana, em dois endereços da capital paulista, sendo um no bairro de Cerqueira César e outro em Pinheiros. Além do curso, o programa organiza aulas culturais abertas ao público, em uma sexta-feira de cada mês, com discussões sobre os costumes de cada país, danças e comidas típicas.

 

Para se inscrever, conhecer melhor a iniciativa e consultar os valores dos cursos, acesse o site oficial do Abraço Cultural.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.