text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Saiba como responder: “Qual o menor salário que você pode aceitar?”

      
<blockquote style=text-align: center;>Cadastre seu currículo no <a href=https://www.universiaemprego.com.br/ class=enlaces_med_generacion_cv title=Cadastre seu currículo grátis no Universia Emprego target=_blank id=EMPLEO rel=nofollow>Universia Emprego</a>. É grátis!</blockquote><p>Muitos recrutadores têm o hábito de perguntar a candidatos qual seria <strong>a menor quantia possível que a pessoa aceitaria para trabalhar na empresa</strong>. É uma pergunta invasiva, principalmente levando em conta que a conversa é com um estranho, e que dá uma impressão ruim da empresa. Afinal, porque uma companhia de respeito estaria interessada em pagar o mínimo possível para um novo funcionário?</p><p><span style=color: #333333;><strong>Leia também:</strong></span><br/><a href=https://noticias.universia.com.br/tag/notícias-sobre-carreira/ title=notícias sobre carreira>» <strong>Todas as notícias sobre carreira</strong></a><br/><a href=https://noticias.universia.com.br/emprego/noticia/2016/06/03/1140470/3-perguntas-fazer-entrevista-emprego.html title=3 perguntas para fazer em uma entrevista de emprego>» <strong>3 perguntas para fazer em uma entrevista de emprego</strong></a></p><p>Em muitos casos, a pergunta é um vício do recrutador. Um hábito antigo da época em que humilhar quem procura emprego era uma prática comum. Mas os tempos mudaram, e hoje a indústria sabe que pessoas talentosas são altamente valiosas. Não deixe que ninguém trate a sua posição como alguém em busca de emprego com falta de educação. Se a pergunta surgir, você pode proceder de duas maneiras:</p><p><strong>1. Questione de onde vem a pergunta</strong><br/>Informe-se quem exatamente está interessado no seu “menor valor possível”. Se for de fato só um hábito antigo do recrutador, educadamente explique que você prefere não compartilhar essa informação. Afinal, não é do seu interesse receber o mínimo possível, e essa pergunta não seria feita com a intenção de pagar um centavo acima do valor respondido.</p><p>Se a pergunta foi <strong><a href=https://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/11/04/1133221/erros-comuns-chefe.html title=Os erros mais comuns de um chefe>requisitada pelo chefe</a></strong>, talvez você deva reconsiderar se a vaga é realmente do seu interesse. Lembre-se que a pergunta é uma armadilha: um número alto faz você soar fora da realidade, um número baixo dá um teto desfavorável para o seu possível salário. Por isso, é do seu interesse que ela não seja respondida.</p><p><strong>2. Desligue o telefone</strong><br/>Se a pergunta realmente foi um pedido de alguém com quem você teria que trabalhar no futuro, e se você está na posição de rejeitar a vaga, rejeite. Uma empresa que não valoriza seus funcionários e talentos não compensa o seu esforço. E, principalmente, um chefe que quer saber qual é o menor salário que você aceitaria não é o tipo de pessoa com quem é agradável trabalhar.</p><p>O empregador certo entende os <strong><a href=https://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/09/21/1131374/5-caracteristicas-essenciais-atingir-objetivos-profissionais.html title=5 características essenciais para atingir seus objetivos profissionais>objetivos da carreira</a></strong> do empregado e quer colaborar com esses objetivos. O salário é só um detalhe, e se para a empresa ele é um ponto tão importante, talvez você deva procurar uma empresa com as prioridades mais alinhadas com as suas.</p>
Fonte: Shutterstock
Cadastre seu currículo no Universia Emprego. É grátis!

Muitos recrutadores têm o hábito de perguntar a candidatos qual seria a menor quantia possível que a pessoa aceitaria para trabalhar na empresa. É uma pergunta invasiva, principalmente levando em conta que a conversa é com um estranho, e que dá uma impressão ruim da empresa. Afinal, porque uma companhia de respeito estaria interessada em pagar o mínimo possível para um novo funcionário?

Leia também:
» Todas as notícias sobre carreira
» 3 perguntas para fazer em uma entrevista de emprego

Em muitos casos, a pergunta é um vício do recrutador. Um hábito antigo da época em que humilhar quem procura emprego era uma prática comum. Mas os tempos mudaram, e hoje a indústria sabe que pessoas talentosas são altamente valiosas. Não deixe que ninguém trate a sua posição como alguém em busca de emprego com falta de educação. Se a pergunta surgir, você pode proceder de duas maneiras:

1. Questione de onde vem a pergunta
Informe-se quem exatamente está interessado no seu “menor valor possível”. Se for de fato só um hábito antigo do recrutador, educadamente explique que você prefere não compartilhar essa informação. Afinal, não é do seu interesse receber o mínimo possível, e essa pergunta não seria feita com a intenção de pagar um centavo acima do valor respondido.

Se a pergunta foi requisitada pelo chefe, talvez você deva reconsiderar se a vaga é realmente do seu interesse. Lembre-se que a pergunta é uma armadilha: um número alto faz você soar fora da realidade, um número baixo dá um teto desfavorável para o seu possível salário. Por isso, é do seu interesse que ela não seja respondida.

2. Desligue o telefone
Se a pergunta realmente foi um pedido de alguém com quem você teria que trabalhar no futuro, e se você está na posição de rejeitar a vaga, rejeite. Uma empresa que não valoriza seus funcionários e talentos não compensa o seu esforço. E, principalmente, um chefe que quer saber qual é o menor salário que você aceitaria não é o tipo de pessoa com quem é agradável trabalhar.

O empregador certo entende os objetivos da carreira do empregado e quer colaborar com esses objetivos. O salário é só um detalhe, e se para a empresa ele é um ponto tão importante, talvez você deva procurar uma empresa com as prioridades mais alinhadas com as suas.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.