text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

SALDO POSITIVO - Você já aprendeu as novas regras do rotativo do cartão de crédito? [VÍDEO]

      
SALDO POSITIVO - Você já aprendeu as novas regras do rotativo do cartão de crédito? [VÍDEO]
SALDO POSITIVO - Você já aprendeu as novas regras do rotativo do cartão de crédito? [VÍDEO]  |  Fonte: Universia Brasil
Andy de Santis - Universia Brasil

Andy de Santis

Educadora e consultora financeira. Ela comanda a série Saldo Positivo. Acompanhe!

No artigo como fazer o melhor uso do seu cartão de crédito, comentei que as regras do uso de crédito rotativo (quando se paga um valor entre o mínimo e o total da fatura) passariam por mudanças. Dois meses depois da alteração, estou curiosa: você já aprendeu as novas regras?

Vale lembrar: antes de 03 de abril, quem não tinha dinheiro para pagar o valor total da fatura, deveria fazer um pagamento mínimo de 15% do valor da fatura do mês, para não ficar inadimplente. O montante restante seria cobrado no mês seguinte, acrescido de juros, mas o cliente poderia fazer o pagamento mínimo novamente. O processo podia se repetir mês a mês, gerando a famosa “bola de neve” do rotativo do cartão.

Agora, quem não possuir renda suficiente para efetuar o pagamento integral da fatura pode passar apenas um mês no crédito rotativo. Após 30 dias, o valor atrasado precisa ser pago à vista ou em parcelas, com uma linha de crédito que cobra taxas de juros mais baixas, aliviando o peso da dívida.

JUROS: COMO ERA ANTES x COMO É AGORA

Imagine a seguinte situação: Luiza gastou R$ 500 em compras no cartão de crédito por três meses. Por falta de recursos para pagar o total da fatura, resolveu pagar apenas o mínimo, com juros do rotativo de 10%. Veja como ficaria a dívida de Luiza na regra antiga:



No primeiro mês, ela pagaria apenas R$ 75,00, no segundo mês apenas R$ 145,12 e no terceiro mês apenas R$ 210,69. Porém, a maior parte da dívida de R$ 1.500 seria transferida para o próximo mês, tornando-se cada vez maior. Em apenas três meses, ela teria que desembolsar R$ 1.744,12 para quitá-la. Perceba que, a cada mês, o valor total da dívida dela tem um acréscimo percentual maior do que o mês anterior. É a famosa “bola de neve”.

Com a nova regra, analisando o mesmo caso, veja o que muda:

Agora, Luiza só pode pagar o mínimo relativo às compras do mês atual. Seu novo mínimo é somado à dívida do mês anterior, portanto apenas uma pequena parte da dívida fica pendente, desacelerando o processo de endividamento. Perceba que, em três meses, ela pagaria R$ 1.627,50 para pagar por sua dívida original de R$ 1.500. E o acréscimo ao final se mantém estável, sem produzir uma “bola de neve”.

QUAIS SÃO AS OPÇÕES ATUAIS?

1. Pagar o valor total da fatura

Continua sendo a melhor opção para quem usa cartão de crédito. Quem paga 100% da fatura no vencimento não é impactado com a nova legislação. Mas, para isso, é preciso saber se planejar financeiramente. O planejamento financeiro é fundamental, pois, com ele, é possível acompanhar seus gastos, conhecer seu comportamento de consumo, prever o valor da fatura e quitar de uma só vez a conta, sem surpresas.

2. Pagar o mínimo e, em até 30 dias, quitar o restante da fatura

Você ainda não iniciou seu planejamento financeiro ou, por algum motivo, não conseguiu dinheiro suficiente para quitar a fatura antes do vencimento. Nesse caso, é possível pagar o mínimo (15%) e, no próximo vencimento, quitar o valor restante da fatura, evitando dívidas futuras com o parcelamento.

3. Pagar o mínimo e optar por parcelar o restante da fatura

Evite essa opção! Mas, se em um mês você não conseguiu juntar dinheiro suficiente para quitar o valor da fatura, pode optar por parcelar o montante restante – lembrando: sempre com juros.

Nesse caso, é preciso verificar com seu banco quais são as regras para parcelamento. Alguns dividem o valor de forma automática; enquanto outros oferecem outras linhas de crédito. Estudar o cenário nesse momento é fundamental, pesquise sempre outras opções, tendo em mente que trocar uma dívida por outra pode ser arriscado.

VALE LEMBRAR

A mudança no crédito rotativo não significa que você deva abrir mão do seu controle financeiro. Mais importante do que aproveitar novas taxas é se planejar financeiramente mês a mês, para evitar sustos na hora que a fatura chegar.

Se você não está conseguindo quitar suas contas, analise sua situação para descobrir o que está ocasionando os gastos a mais do que você poderia pagar: impulso nas compras? parcelamentos muito longos? gastos que poderiam ser cortados? Repense seus hábitos!

Registre em uma planilha, aplicativo ou caderno, tudo o que você gasta mensalmente e separe em categorias, como alimentação, habitação, saúde, educação, lazer e transporte, por exemplo. Crie um gráfico de “pizza” e veja quais fatias estão pesando mais no seu orçamento. Que tal se livrar ou reduzir algumas despesas, assim mesmo, como quem faz uma dieta? Cortar gastos não faz mal a ninguém, muito pelo contrário, pode ser essencial para resolver problemas financeiros.

Verifique, também, qual a sua renda mensal. Tenha em mente que o recomendável é que a soma das suas dívidas, sejam elas no cartão, nos financiamentos ou parcelamentos, não ultrapassar 30% da sua renda líquida mensal.

Comece a analisar, também, a possibilidade de esperar um pouco para juntar o dinheiro e comprar à vista, evitando o parcelamento. Quem paga à vista consegue negociar melhor e não fica amarrado com parcelas mensais, ampliando sua liberdade financeira.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.