text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Quase metade dos matriculados na Unicamp estudaram em escola pública

      
<p>Segundo a <strong>Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest)</strong>, a Unicamp registrou um <strong><a title=Mais da metade dos aprovados na Unicamp vêm de escolas públicas href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2016/02/12/1136312/metade-aprovados-unicamp-vem-escolas-publicas.html>número recorde de matrículas de alunos da rede pública para as vagas do vestibular 2016</a></strong>. Segundo o levantamento, 47,6% dos 3.243 matriculados eram advindos de instituições públicas de ensino, sendo o maior número já alcançado na história do <strong>Vestibular da Unicamp</strong>. Na edição de 2015, o índice foi de 30,2%.</p><p> </p><p><span style=color: #333333;><strong>Você pode ler também:</strong></span><br/><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Unicamp dará mais de 6.700 isenções na taxa do vestibular 2017 href=https://noticias.universia.com.br/educacao/noticia/2016/04/05/1137987/unicamp-dara-6-700-isences-taxa-vestibular-2017.html>» <strong>Unicamp dará mais de 6.700 isenções na taxa do vestibular 2017</strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Unicamp é melhor universidade do Brasil, segundo MEC href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/12/28/1135046/unicamp-melhor-universidade-brasil-segundo-mec.html>» <strong>Unicamp é melhor universidade do Brasil, segundo MEC</strong></a><br/><a style=color: #ff0000; text-decoration: none; text-weight: bold; title=Todas as notícias de Educação href=https://noticias.universia.com.br/educacao>» <strong>Todas as notícias de Educação</strong></a></p><p> </p><p>Dentre os ingressantes da rede pública, 33,9% <strong>se declararam pretos, pardos ou indígenas</strong>, contra 27,3% no vestibular do ano anterior. Para a Comvest, o resultado representa um marco, já que, historicamente, os índices sempre giraram em torno dos 30%. Com isso, a Unicamp se aproxima, cada vez mais, da meta aprovada em 2013 pelo <strong>Conselho Universitário (Consu)</strong> de chegar a um total de <strong>50% de ingressantes vindos da educação pública até 2017</strong>, com 35% se autodeclarando pretos, pardos ou indígenas.</p><p> </p><p><strong>Ação Afirmativa e Inclusão Social</strong><br/><br/> O motivo do aumento substancial das matrículas desse grupo de estudantes foram as mudanças promovidas pelo <strong>Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (PAAIS)</strong>, no ano passado. <strong><a title=Conheça 3 mitos da Lei de Cotas href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2015/11/18/1133841/conheca-3-mitos-lei-cotas.html>Entre as ações executadas estão as políticas de cotas</a></strong> e um aumento da nota das provas da primeira e segunda fase em 60 e 90 pontos, respectivamente, dos alunos que fizeram o ensino médio em escolas públicas. Os pretos, pardos e indígena chegaram a receber mais 20 e 30 pontos nas provas.</p><p>Podem participar do PAAIS todos os estudantes que cursaram o ensino médio, integralmente, em escolas públicas brasileiras.</p>
Fonte: Shutterstock

Segundo a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), a Unicamp registrou um número recorde de matrículas de alunos da rede pública para as vagas do vestibular 2016. Segundo o levantamento, 47,6% dos 3.243 matriculados eram advindos de instituições públicas de ensino, sendo o maior número já alcançado na história do Vestibular da Unicamp. Na edição de 2015, o índice foi de 30,2%.

 

Você pode ler também:

» Unicamp dará mais de 6.700 isenções na taxa do vestibular 2017
» Unicamp é melhor universidade do Brasil, segundo MEC
» Todas as notícias de Educação

 

Dentre os ingressantes da rede pública, 33,9% se declararam pretos, pardos ou indígenas, contra 27,3% no vestibular do ano anterior. Para a Comvest, o resultado representa um marco, já que, historicamente, os índices sempre giraram em torno dos 30%. Com isso, a Unicamp se aproxima, cada vez mais, da meta aprovada em 2013 pelo Conselho Universitário (Consu) de chegar a um total de 50% de ingressantes vindos da educação pública até 2017, com 35% se autodeclarando pretos, pardos ou indígenas.

 

Ação Afirmativa e Inclusão Social

O motivo do aumento substancial das matrículas desse grupo de estudantes foram as mudanças promovidas pelo Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (PAAIS), no ano passado. Entre as ações executadas estão as políticas de cotas e um aumento da nota das provas da primeira e segunda fase em 60 e 90 pontos, respectivamente, dos alunos que fizeram o ensino médio em escolas públicas. Os pretos, pardos e indígena chegaram a receber mais 20 e 30 pontos nas provas.

Podem participar do PAAIS todos os estudantes que cursaram o ensino médio, integralmente, em escolas públicas brasileiras.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.