text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Enem 2016: liminar que pedia cancelamento da redação foi negada

      
<p>O <strong>Ministério Público do Ceará</strong> teve, essa semana, o seu pedido de cancelamento da redação do Enem 2016 negado pela justiça. De acordo com o Ministério, o tema da redação havia sido vazado em 2015 pelo próprio MEC e por isso a nota deveria ser desconsiderada, mas a justiça discordou da acusação.</p><p><span style=color: #333333;><strong>Leia também:</strong></span><br/><a href=https://noticias.universia.com.br/tag/notícias-enem-2016 title=notícias enem 2016>» <strong>Todas as notícias sobre Enem 2016</strong></a><br/><a href=https://noticias.universia.com.br/educacao/noticia/2016/11/06/1145333/video-prova-matematica-exigente-enem-2016.html title=Vídeo: prova de matemática foi a mais exigente do Enem 2016>» <strong>Vídeo: prova de matemática foi a mais exigente do Enem 2016</strong></a></p><p>O tema teria sido vazado em outubro de 2015, quando o Inep publicou em redes sociais uma imagem de uma prova vazada com uma faixa vermelha escrito “Prova Falsa”. Na imagem é possível ver o tema da redação com o título “Intolerância Religiosa no Brasil”. <a href=https://noticias.universia.com.br/educacao/noticia/2016/11/07/1145346/usuarios-reclamam-vazamento-redacao-enem-2016-redes-sociais.html# title=Usuários reclamam de vazamento da redação do Enem 2016 nas redes sociais>Nas redes sociais, usuários apontaram a semelhança entre a prova vazada, e a proposta de redação do Enem 2016.</a> </p><p>O juiz encarregado do caso, <strong>José Vidal Silva Neto</strong>, afirmou que: Embora se assemelhem, em virtude de ambos se referirem ao assunto da intolerância religiosa, diferem em alcance e perspectivas, que não se tocam. E por isso negou o pedido da liminar.</p><p>O exame foi repleto de flagras de tentativas de fraude, inclusive um candidato que chegou na prova com a redação pronta para ser transcrita. <strong>O juiz afirmou que trata-se de um caso isolado</strong>. Este específico candidato de alguma forma, ainda não desvendada, conseguiu burlar o sigilo das provas, provavelmente subornando funcionário que teve contato com as provas, tendo conhecimento antecipado do tema da redação, com o que obteve vantagem ilícita em detrimento de todos os demais candidatos.</p>
Fonte: Shutterstock

O Ministério Público do Ceará teve, essa semana, o seu pedido de cancelamento da redação do Enem 2016 negado pela justiça. De acordo com o Ministério, o tema da redação havia sido vazado em 2015 pelo próprio MEC e por isso a nota deveria ser desconsiderada, mas a justiça discordou da acusação.

Leia também:
» Todas as notícias sobre Enem 2016
» Vídeo: prova de matemática foi a mais exigente do Enem 2016

O tema teria sido vazado em outubro de 2015, quando o Inep publicou em redes sociais uma imagem de uma prova vazada com uma faixa vermelha escrito “Prova Falsa”. Na imagem é possível ver o tema da redação com o título “Intolerância Religiosa no Brasil”. Nas redes sociais, usuários apontaram a semelhança entre a prova vazada, e a proposta de redação do Enem 2016. 

O juiz encarregado do caso, José Vidal Silva Neto, afirmou que: "Embora se assemelhem, em virtude de ambos se referirem ao assunto da intolerância religiosa, diferem em alcance e perspectivas, que não se tocam". E por isso negou o pedido da liminar.

O exame foi repleto de flagras de tentativas de fraude, inclusive um candidato que chegou na prova com a redação pronta para ser transcrita. O juiz afirmou que trata-se de um caso isolado. "Este específico candidato de alguma forma, ainda não desvendada, conseguiu burlar o sigilo das provas, provavelmente subornando funcionário que teve contato com as provas, tendo conhecimento antecipado do tema da redação, com o que obteve vantagem ilícita em detrimento de todos os demais candidatos".


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.