text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

O que são atividades extracurriculares e como usá-las em seu currículo

      
Atividades extracurriculares como cursos complementares podem agregar valor ao seu currículo
Atividades extracurriculares como cursos complementares podem agregar valor ao seu currículo  |  Fonte: iStock

O que são atividades extracurriculares?


Em linhas gerais, são todas as atividades que um aluno ou jovem profissional pode buscar e que são diversas da formação acadêmica profissional. Contribuindo para uma formação pessoal, social, acadêmica ou mesmo profissional, são atividades eletivas, que o aluno pode optar fazer livremente.


A importância das atividades extracurriculares


Em um mercado de trabalho extremamente competitivo, é correto dizer que, para muitas carreiras, apenas o diploma acadêmico não é o bastante para garantir o sucesso na briga pela vaga de emprego dos seus sonhos.


Nessa busca por estratégias inteligentes para dar um upgrade profissional, surgem, por exemplo a pós-graduação, o mestrado ou, então, saber valorizar a importância das atividades extracurriculares.


Se por um lado, já está bem clara a vantagem de citar em seu currículo suas experiências em outros idiomas – importante: desde que sejam verdadeiras e de comprovação possível –, por outro, existe uma série de atividades que podem não estar agregando valor ao seu currículo.


As atividades extracurriculares fazem com que o recrutador o conheça melhor porque não são obrigatórias e dizem bastante sobre a sua personalidade, afinal quem as faz não ganha nada em troca e, baseado nisso, provavelmente gosta das tarefas que desempenha.


Reflexos das atividades extracurriculares no desempenho


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep/MEC) fez, pela primeira vez, o cruzamento dos resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com as respostas ao questionário socioeconômico. O relatório demonstra que o acesso a atividades extracurriculares pode representar diferença significativa no desempenho escolar. Na prova do Enem de 2003, a média dos estudantes que frequentaram cursos de língua estrangeira, informática e pré-vestibular, por exemplo, foi de até 17 pontos acima da alcançada pelos que tiveram pouco ou nenhum acesso a esses cursos. Numa escala de zero a cem, a pontuação média no primeiro caso foi de 62 e no segundo, de 45.


Além da importância das atividades extracurriculares no desempenho do estudante, o trabalho aborda a influência do bem-estar residencial, dos hábitos de leitura, dos aspectos da escola e do interesse do aluno por assuntos atuais. Neste ano da pesquisa, a média geral de 1,3 milhão de participantes na prova objetiva foi de 49,5.


O estudo mostra uma diferença de sete pontos na média entre os estudantes que sempre lêem jornais, revistas e livros e aqueles que não têm esse hábito. A média dos participantes nos níveis mais baixos de leitura foi de 46. A de quem se posicionou nos patamares mais elevados, 53. A estrutura da prova do Enem, baseada em situações-problema e temas da atualidade, reforça a importância da leitura na resolução das questões.


Devo investir em atividades extracurriculares nas férias?


Depois do último dia de aula do semestre, são poucos os alunos que querem voltar à faculdade, sobretudo depois de todas aquelas noites em claro por causa de provas e trabalhos. Embora o descanso e a diversão devam ser de fato algumas das prioridades dos universitários, é importante lembrar que este tempo livre pode também servir como uma oportunidade para correr atrás dos seus interesses


Em outras palavras, as férias podem ser usadas para investir em cursos que abordem as habilidades e os conhecimentos que você pretende usar depois da graduação ou, ainda, em competências complementares que, mesmo não tendo ligação direta com sua área, despertam em você certo entusiasmo.


Mas é possível garantir um aprendizado proveitoso sem abrir mão dos seus momentos de lazer durante as férias? Para ajudá-lo a responder esta pergunta, reunimos algumas dicas para te ajudar a decidir se você deve buscar um curso de verão ou não.


1 – Considere a duração do curso antes de se inscrever


Duas semanas ou até mesmo um mês são períodos muito curtos para conhecer profundamente todas as nuances de determinado tema e, por isso, você deve considerar estas aulas como uma espécie de introdução, uma base para mais tarde você estudar autonomamente ou buscar aulas mais complexas. 


Para que você possa garantir o máximo de absorção dos conteúdos trabalhados em sala, é importante manter o foco e evitar o multitasking durante o curso. Assim, você diminui as chances de se perder ao longo das exposições e, ainda,  pode garantir mais tempo para se dedicar aos seus outros interesses e passatempos, já que não precisará estudar tanto em casa para voltar a acompanhar a classe.


2 – Pense nas suas necessidades de longo prazo


Independente de já ter definido ou não o que quer fazer depois da formatura, você pode aproveitar seu tempo livre para experimentar as áreas que, a princípio, chamam sua atenção. Por isso, observe o conteúdo programático do curso antes de se inscrever até mesmo para se certificar de que terá fôlego e disposição para acompanhar as aulas do começo ao fim.


Lembre-se também que este pode ser um bom momento para retomar os conteúdos que você teve na faculdade neste semestre, mas não compreendeu muito bem. Num ambiente diferente e a partir da perspectiva de outro docente, talvez seu aproveitamento seja melhor.


3 – Não fique preso apenas nos livros


Os cursos também são lugares para conhecer pessoas novas com os mesmos interesses que você, algo que pode tanto maximizar sua experiência enquanto estudante – já que um pode ajudar o outro, dando dicas e esclarecendo dúvidas –, quanto expandir o seu networking e, quem sabe, estimular sua criatividade para formular um projeto pessoal na área. 


Por isso, não encare o curso como uma atividade burocrática, que impõe a leitura de determinado texto, por exemplo. Este deve ser do seu interesse justamente para garantir um melhor aproveitamento da sua vida enquanto universitário e profissional e, por que não, das suas férias.


Por onde começar a buscar atividades extracurriculares?


Alguns cursos, em função de sua carga horária, não permitem que o estudante realize um estágio. Existem alguns cursos, também, que não possuem um mercado fácil para estagiários. Independente do motivo, se você não pode trabalhar durante a sua graduação, confira 5 coisas que você pode fazer nesse período para melhorar o seu currículo:


  • Atividades desenvolvidas pela faculdade


A sua faculdade oferece cursos, laboratórios experimentais, grupos acadêmicos, etc? Aproveite para participar de diversas atividades da sua faculdade para poder melhorar o seu currículo. A participação em aulas de teatro, aulas extracurriculares, assista às palestras e realize pesquisas. Realizar essas tarefas acadêmicas prova que você sabe trabalhar em grupo e lidar com prazos, além de conseguir se comprometer com uma atividade.


  • Faça trabalho voluntário


Trabalho voluntário é uma ótima forma de adquirir diversas habilidades, além de ajudar quem precisa. Recrutadores gostam de ver voluntariado nos currículos dos candidatos porque demonstra vontade de ajudar e pró-atividade. Entretanto, caso seja possível, é importante que você realize trabalhos voluntários que acrescentem algo à sua carreira. Se você está estudando engenharia civil, por exemplo, por que não ajudar pessoas carentes a construir suas próprias casas?


  • Estude a área


Colocar que você entende Pacote Office no seu currículo não irá destacar o seu currículo dos outros. Porém, se você colocar que estudou Pacote Office nas aulas da faculdade, o jeito que o recrutador irá ler será diferente. Além disso, é interessante que você faça cursos de especialização para entender melhor sobre a área que você vai atuar, assim como ler livros e assistir palestras de especialistas.


  • Faça trabalhos freelancer


Mesmo que não seja possível estagiar durante a sua graduação, nada impede de procurar por serviços freelancer. Procure em sites de emprego, mande o seu trabalho para empresas e entre em contato com outros freelancers para conhecer contatos e receber dicas.


  • Invista em seu network


Aproveite a fase para alimentar a sua network. Crie um perfil no LinkedIn, converse com especialistas da área, entre em contato com outros profissionais, professores da faculdade e pessoas que possam conseguir vagas de emprego para você. É importante que, antes mesmo de entrar de cabeça no mercado de trabalho, você já tenha uma boa rede de network que possa ajudar.


Atividades extracurriculares que ajudam no currículo


Quer melhorar o seu currículo e não sabe como? Atividades extracurriculares como cursos complementares podem agregar valor ao seu currículo. 


Antes de incluir essas informações, você deve avaliar se realmente terá alguma utilidade para o cargo. Quem procura um estágio, por exemplo, ter atividades extracurriculares no currículo vai colocá-lo à frente de muitos candidatos. 


Confira uma lista com as atividades que os entrevistadores gostam de ver.


1) Experiência de liderança


Os recrutadores adoram conversar sobre as situações em que você tomou uma posição de liderança na escola. Isso mostra que está disposto a lidar com as situações-problema. Além disso, revela que você tem noção de responsabilidade e gestão de pessoas.


2) Prática de esportes


Todo futuro empregador aprecia quem sabe trabalhar em equipe. Se você adora praticar esportes, provavelmente gosta de trabalhar com pessoas para alcançar os objetivos. Se envolver com esportes mostra que você tem um lado competitivo. Em qualquer carreira, essa é uma grande qualidade para expor no currículo.


3) Línguas estrangeiras


Ser fluente em outro idioma abre muitas portas quando você procura um emprego. Se você estiver interessado em uma carreira internacional, ser proficiente em uma segunda língua é muito importante.


4) Trabalho voluntário


Ajudar os outros é bom para mostrar que você tem interesses fora de seu campo de estudo. Vale mencionar na entrevista de emprego o tipo de trabalho voluntário que realizou, mas é importante que o candidato saiba explicar o seu papel nessa atividade e a importância desse ato em sua vida. 


As atividades demonstram generosidade, disponibilidade e disciplina. Além disso, mostra aos recrutadores a sua capacidade de gerenciar projetos, desempenhando múltiplas tarefas e trabalhar com pessoas.


Algumas pessoas podem se sentir incomodadas ao citar de forma tão burocrática um ato de ajuda ao próximo. Nesses casos, é importante ter em mente que, ao divulgar uma ação voluntária, além de fazer um bem à sociedade, você pode estar multiplicando essa ação a quem tomar conhecimento.


5) Atividades artísticas


Atividades como teatro, circo, oficinas de palhaço e até cursos para falar em público (oratória) são opções bem vistas numa seleção profissional, principalmente, no que tange à facilidade em comunicação e expressão.


No entanto, na hora de concorrer a um cargo, talvez não seja a melhor opção para ser literalmente escrita no papel. A não ser que seja uma oportunidade de emprego que tenha relação com alguma dessas atividades – caso contrário, é melhor que essas habilidades apareçam durante a entrevista ou em alguma outra dinâmica posterior.


6) Experiências de intercâmbio


Sim! A importância das atividades extracurriculares está, por exemplo, na forma como comunicar experiências essenciais como estudar em outro país.


A presença de um intercâmbio no currículo, principalmente para egressos da faculdade e candidatos mais jovens, pode ser um diferencial decisivo na hora da contratação. Uma demonstração de adaptabilidade em outras culturas e de ter a sede de conhecer e conviver com pessoas diferentes, em países estrangeiros.


7) Cursos de extensão


Outra forma de se desenvolver na carreira é apostar nos estudos. Faça atividades extracurriculares e aproveite cursos online oferecidos gratuitamente por universidades de destaque. Cada tentativa servirá de aprendizado e mostra seu esforço em se aperfeiçoar para os recrutadores.



O que não colocar no currículo


Não cite questões políticas ou religiosas. Experiências do seu dia a dia que não estão relacionadas à área de atuação, como ser escoteiro ou síndico do condomínio, também não devem ser citadas.


Blogs e redes sociais são pontos delicados: é muito importante citá-las – até pelo fato de ser muito fácil encontrá-las. Mas é fundamental que o conteúdo dessas plataformas não prejudique o seu perfil profissional.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.