text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

A importância da psicologia social do trabalho

      
<p dir=ltr><span>A </span><a href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2017/02/20/1149724/estudar-psicologia.html target=_blank><span>Psicologia</span></a><span>, que pode ser definida de forma simplificada como a ciência que estuda os processos mentais e o comportamento do ser humano, é uma área do conhecimento bastante ampla. A Psicologia Social do Trabalho é uma das subdivisões dessa área, que, como o nome já indica, tem como foco os processos mentais e o comportamento dos trabalhadores e as relações intersubjetivas que se dão no ambiente de trabalho.</span></p><p dir=ltr><span>Essa subdisciplina não apenas constrói conhecimentos, mas permite atuar em organizações de forma a aprimorar relações de trabalho, a motivação e o bem-estar de empregados, assim como a produtividade e a eficiência, entre outros. Em um momento em que a valorização das pessoas que constituem uma empresa está cada vez mais em alta, a Psicologia Social do Trabalho torna-se mais importante do que nunca.</span></p><h2><span><strong>Psicologia Social do Trabalho: o que é e como surgiu?</strong></span></h2><p dir=ltr><span>A Psicologia Social do Trabalho muitas vezes trabalha de mãos dadas com a Psicologia Organizacional, que, por sua vez, concentra-se na psicologia em organizações e está intimamente ligada à gestão de pessoas. Por vezes, essas áreas se confundem e há quem não faça distinção entre elas; por outro lado, muitos fazem questão de diferenciá-las, geralmente da seguinte forma:</span></p><ul><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Psicologia Social do Trabalho: concentra-se principalmente nos fenômenos psicológicos dos trabalhadores e nas suas vivências, a partir de uma visão crítica. Tem como principal objetivo de analisar e aprimorar relações de trabalho e a saúde, o bem-estar e a segurança do trabalhador.</span></p></li><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Psicologia Organizacional: concentra-se principalmente nas organizações e nos fenômenos psicológicos que nelas ocorrem, geralmente com o objetivo de analisar e aprimorar a gestão de recursos humanos em prol da eficiência.</span></p></li></ul><p dir=ltr><span>Ambas têm como denominador comum a psicologia e o trabalho, mas também uma série de outras características. Entre elas, o fato de serem ambas interdisciplinares e envolverem conhecimentos e práticas de diversos campos, como:</span></p><ul><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Sociologia;</span></p></li><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Antropologia;</span></p></li><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Economia;</span></p></li><li dir=ltr><p dir=ltr><span>História;</span></p></li><li dir=ltr><p dir=ltr><span>Administração.</span></p></li></ul><p dir=ltr><span>A Psicologia Social do Trabalho, assim como a Organizacional, tem suas origens no fim do século XIX e início do XX, em investigações que buscavam principalmente avaliar e classificar habilidades de trabalhadores e elevar ao máximo a sua produtividade, a partir do desenvolvimento técnicas de eficiência de produção.</span></p><p dir=ltr><a href=https://www.periodicoshumanas.uff.br/ecos/article/viewFile/1008/722 target=_blank><span>Como mostra</span></a><span> o pesquisador Luís Henrique da Costa Leão, psicólogo e professor da </span><a href=https://www.universia.com.br/universidades/universidade-federal-mato-grosso/in/29873 target=_blank><span>Universidade Federal do Mato Grosso</span></a><span>, esse campo do conhecimento abandonou a percepção dos trabalhadores como máquinas, a partir de meados do século XX. Novos conceitos e métodos se desenvolveram, a área tornou-se mais complexa e, o principal, passou-se a enxergar as relações sociais entre trabalhadores como fundamentais para a empresa e a produtividade.</span></p><p dir=ltr><span>Além da relação indivíduo-máquina, o ambiente de trabalho, o conteúdo das tarefas e as relações humanas ganharam a sua devida importância na disciplina. Uma série de novas teorias entraram em jogo, envolvendo questões de motivação, </span><a href=https://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/09/18/1131393/vida-profissional-10-videos-sobre-lideranca.html target=_blank><span>liderança</span></a><span>, aprendizagem, emoções, entre outros aspectos. Algumas correntes dentro da área também passaram a se preocupar com outras questões, como a saúde do trabalhador, relações de </span><a href=https://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2017/04/27/1150537/desigualdade-generos-trabalho-empresas-podem-ajudar-mudar-cenario.html target=_blank><span>gênero no trabalho</span></a><span>, identidade, etc.</span></p><p dir=ltr><span>Como é possível ver, a Psicologia Social do Trabalho é um campo bastante amplo, com perspectivas diversas e diferentes áreas de atuação. Mas, afinal, por que ela é tão importante para a sociedade contemporânea?</span></p><h2><strong>A importância da Psicologia Social do Trabalho</strong></h2><p dir=ltr><span>Para os trabalhadores, a Psicologia Social do Trabalho é claramente importante, por desenvolver conhecimentos e práticas que primam pelo seu bem-estar, saúde e segurança. Questões envolvendo, por exemplo, motivação, satisfação, relações interpessoais e </span><a href=https://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/08/27/1130395/3-vantagens-trabalhar-equipe.html target=_blank><span>trabalho em equipe</span></a><span> são essenciais para a Psicologia Social do Trabalho e contribuem para aprimorar condições de trabalho.</span></p><p dir=ltr><span>Contudo, assim como a Psicologia Organizacional, a Psicologia Social do Trabalho também é benéfica para as organizações. Com </span><a href=https://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2018/10/empresas-investem-no-bem-estar-para-ganhar-produtividade-diz-estudo.html target=_blank><span>evidências</span></a><span> crescentes de que o bem-estar dos trabalhadores afeta a eficiência e a produtividade das empresas, essa área se torna essencial para empregadores e gestores.</span></p><p dir=ltr><span>Não é de se surpreender, portanto, que cada vez mais empresas invistam em ambientes de trabalho seguros, relaxantes e motivadores. Em especial, grandes corporações globais, como a Google e o Facebook, mas também </span><a href=https://noticias.universia.com.br/emprego/noticia/2016/09/16/1143676/10-universidades-formam-fundadores-startups.html target=_blank><span>startups</span></a><span>, que buscam formas inovadoras e eficientes de alcançar melhores resultados. Assim, é provável que os próximos anos coloquem a Psicologia Social do Trabalho ainda mais sob os holofotes.</span></p>

A Psicologia, que pode ser definida de forma simplificada como a ciência que estuda os processos mentais e o comportamento do ser humano, é uma área do conhecimento bastante ampla. A Psicologia Social do Trabalho é uma das subdivisões dessa área, que, como o nome já indica, tem como foco os processos mentais e o comportamento dos trabalhadores e as relações intersubjetivas que se dão no ambiente de trabalho.

Essa subdisciplina não apenas constrói conhecimentos, mas permite atuar em organizações de forma a aprimorar relações de trabalho, a motivação e o bem-estar de empregados, assim como a produtividade e a eficiência, entre outros. Em um momento em que a valorização das pessoas que constituem uma empresa está cada vez mais em alta, a Psicologia Social do Trabalho torna-se mais importante do que nunca.

Psicologia Social do Trabalho: o que é e como surgiu?

A Psicologia Social do Trabalho muitas vezes trabalha de mãos dadas com a Psicologia Organizacional, que, por sua vez, concentra-se na psicologia em organizações e está intimamente ligada à gestão de pessoas. Por vezes, essas áreas se confundem e há quem não faça distinção entre elas; por outro lado, muitos fazem questão de diferenciá-las, geralmente da seguinte forma:

  • Psicologia Social do Trabalho: concentra-se principalmente nos fenômenos psicológicos dos trabalhadores e nas suas vivências, a partir de uma visão crítica. Tem como principal objetivo de analisar e aprimorar relações de trabalho e a saúde, o bem-estar e a segurança do trabalhador.

  • Psicologia Organizacional: concentra-se principalmente nas organizações e nos fenômenos psicológicos que nelas ocorrem, geralmente com o objetivo de analisar e aprimorar a gestão de recursos humanos em prol da eficiência.

Ambas têm como denominador comum a psicologia e o trabalho, mas também uma série de outras características. Entre elas, o fato de serem ambas interdisciplinares e envolverem conhecimentos e práticas de diversos campos, como:

  • Sociologia;

  • Antropologia;

  • Economia;

  • História;

  • Administração.

A Psicologia Social do Trabalho, assim como a Organizacional, tem suas origens no fim do século XIX e início do XX, em investigações que buscavam principalmente avaliar e classificar habilidades de trabalhadores e elevar ao máximo a sua produtividade, a partir do desenvolvimento técnicas de eficiência de produção.

Como mostra o pesquisador Luís Henrique da Costa Leão, psicólogo e professor da Universidade Federal do Mato Grosso, esse campo do conhecimento abandonou a percepção dos trabalhadores como máquinas, a partir de meados do século XX. Novos conceitos e métodos se desenvolveram, a área tornou-se mais complexa e, o principal, passou-se a enxergar as relações sociais entre trabalhadores como fundamentais para a empresa e a produtividade.

Além da relação indivíduo-máquina, o ambiente de trabalho, o conteúdo das tarefas e as relações humanas ganharam a sua devida importância na disciplina. Uma série de novas teorias entraram em jogo, envolvendo questões de motivação, liderança, aprendizagem, emoções, entre outros aspectos. Algumas correntes dentro da área também passaram a se preocupar com outras questões, como a saúde do trabalhador, relações de gênero no trabalho, identidade, etc.

Como é possível ver, a Psicologia Social do Trabalho é um campo bastante amplo, com perspectivas diversas e diferentes áreas de atuação. Mas, afinal, por que ela é tão importante para a sociedade contemporânea?

A importância da Psicologia Social do Trabalho

Para os trabalhadores, a Psicologia Social do Trabalho é claramente importante, por desenvolver conhecimentos e práticas que primam pelo seu bem-estar, saúde e segurança. Questões envolvendo, por exemplo, motivação, satisfação, relações interpessoais e trabalho em equipe são essenciais para a Psicologia Social do Trabalho e contribuem para aprimorar condições de trabalho.

Contudo, assim como a Psicologia Organizacional, a Psicologia Social do Trabalho também é benéfica para as organizações. Com evidências crescentes de que o bem-estar dos trabalhadores afeta a eficiência e a produtividade das empresas, essa área se torna essencial para empregadores e gestores.

Não é de se surpreender, portanto, que cada vez mais empresas invistam em ambientes de trabalho seguros, relaxantes e motivadores. Em especial, grandes corporações globais, como a Google e o Facebook, mas também startups, que buscam formas inovadoras e eficientes de alcançar melhores resultados. Assim, é provável que os próximos anos coloquem a Psicologia Social do Trabalho ainda mais sob os holofotes.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.