text.compare.title

text.compare.empty.header

Notícias

Opções para trabalhar por conta própria

      
Quanto mais a tecnologia avança, mais aumentam as opções de trabalho por conta própria.
Quanto mais a tecnologia avança, mais aumentam as opções de trabalho por conta própria.  |  Fonte: iStock

TRABALHANDO POR CONTA PRÓPRIA


O autônomo é aquela pessoa que trabalha por conta própria e oferece seus serviços para terceiros sem qualquer vínculo empregatício.


As pesquisas estatísticas divulgadas em vários meios de comunicação são unânimes em dizer que tem ocorrido um grande aumento do número de pessoas que trabalham por conta própria ou, em outras palavras, trabalham de maneira autônoma.


Segundo pesquisa da plataforma de crowdsourcing piniOn, entre 2015 e 2016 o número de trabalhadores autônomos cresceu 30%. Visando este mercado, algumas empresas têm oferecido e desenvolvido plataformas de trabalho e aplicativos voltados para os autônomos, também chamados de freelancers, em inglês.


Ver https://exame.abril.com.br/negocios/dino/numero-de-autonomos-cresce-no-brasil-e-atrai-interesse-de-franceses-shtml/


Três anos depois, o IBGE divulgou uma pesquisa onde foi constatado que no Brasil os trabalhadores por conta própria já somavam 24 milhões de pessoas, um número 1,4% superior ao trimestre do mesmo ano (2019).


Ver https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-06/trabalhadores-autonomos-somam-24-milhoes-no-pais-diz-ibge 


Um dos aplicativos mais populares e bem sucedidos é o Uber, que cada vez mais tem se tornado uma opção de trabalho para aqueles que desejam começar a carreira como autônomos e não sabem por onde começar. 


E na esteira de sucesso do Uber, muitos outros aplicativos e plataformas foram e estão sendo desenvolvidos. De uma forma geral, um novo conceito de economia tem surgido: a economia compartilhada, onde os custos ficam por conta do autônomo que, ainda assim, precisa utilizar um aplicativo ou plataforma que não paga impostos para os governos onde atuam, mas para os quais o autônomo paga uma taxa a cada pagamento recebido. 


Isto por si só mostra o outro lado da moeda. Este tipo de trabalho autônomo, apesar de parecer atraente à primeira vista, não oferece garantias para aqueles que os utilizam, e são completamente carentes de regularização. 


Um autor britânico-canadense, Tom Slee, escreveu recentemente um livro sobre o tema chamado: “Uberização - a nova onda do trabalho precarizado”. Este livro e o conceito que ele aborda tem gerado várias discussões e a Carta Capital possui uma excelente resenha sobre o mesmo para quem quiser saber mais.


Ver https://www.cartacapital.com.br/sociedade/e-possivel-resistir-a-uberizacao/


A PEJOTIZAÇÃO DA ECONOMIA


Outro fenômeno relacionado ao aumento do trabalho autônomo e à crise na economia brasileira, é a pejotização. A palavra que vem das siglas para Pessoa Jurídica (PJ), denomina as pessoas físicas que se constituem em MEI´s (Microempreendedor Individual) para ser mais facilmente contratadas e ainda assim obter alguns benefícios do governo.


Ver https://www.qipu.com.br/blog/conheca-os-beneficios-e-vantagens-de-ser-um-mei-microempreendedor-individual/


https://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI289995,91041-Terceirizacao+x+pejotizacao


Devido aos encargos trabalhistas, que no Brasil são muito pesados, fora a burocracia relacionada ao mundo do trabalho, as empresas estão preferindo contratar autônomos constituídos em MEI, por ser uma opção menos burocrática e mais viável. Este fenômeno vem se tornando tão comum que em 2017, o governo federal promulgou uma lei que regula a terceirização, e na realidade, abre ela para outros ramos de atividade, pois anteriormente ela se limitava aos ramos de segurança, conservação e limpeza. 


Ver https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13429.htm


Em vista disso, existe um campo aberto para o aumento do trabalho por conta própria. Por outro lado, o que prometia ser algo bom, que traria mais trabalho e oportunidades para as pessoas desempregadas, possui um lado excludente, pois pesquisas mostram que de cada dez pessoas que trabalham como autônomas, pelo menos seis possuem qualificação superior. 


Anteriormente, os trabalhos por conta própria eram dominados por pessoas de baixo nível de escolaridade, mas desde a crise iniciada em 2014, o número de mão de obra qualificada que atua neste mercado é superior àqueles com pouca escolaridade. 


Ver https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/06/na-crise-qualificado-vira-autonomo-e-tira-espaco-do-menos-escolarizado.shtml


Isto demonstra que mais do que nunca a educação continua sendo o grande trunfo dos que querem se destacar no mercado de trabalho.


Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.