Notícias

Correntes elétricas terapêuticas podem diminuir dor de pacientes em pós-operatório

      
André Benevides Apesar de ser pouco difundida no Brasil, a redução de dores pelo uso de correntes elétricas (TENS, sigla em inglês para Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea) pode ajudar a melhorar a qualidade analgésica de pacientes no período pós-operatório. Além disso, o uso combinado aos tratamentos analgésicos convencionais tende a diminuir a quantidade de medicamentos ingeridos com esta finalidade, afirma a fisioterapeuta Josimari Melo de Santana, doutoranda do Departamento de Biomecânica, Medicina e Reabilitação do Aparelho Locomotor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

Em sua pesquisa, orientada pela professora Gabriela Rocha Lauretti, Josimari estuda a aplicação da TENS na analgesia após laqueaduras, procedimento inédito na área de saúde. O seu grupo de pesquisa tem desenvolvido, desde 2002, métodos bem sucedidos para minimizar a dor para outros tipos cirúrgicos, como cirurgias de vesícula, de hérnia inguinal e de correção perineal (que engloba a região genital e anal). Infelizmente, nós estamos praticamente sozinhos, no Brasil, nesta linha de pesquisa, lamenta.

A eficiência da TENS tem surpreendido especialistas em dor no mundo inteiro e os resultados são cada vez mais promissores. A TENS é segura, não-invasiva, não causa efeitos adversos e nem dependência física ou química, relata a fisioterapeuta. As principais desvantagens da terapia são o efeito de tolerância, assim no uso dos fármacos, e a necessidade de associação a medicação para tratamento de dores mais severas. Por isso que ela é indicada principalmente como adjuvante terapêutico, que combinado a outros tipos, potencializa o efeito analgésico do tratamento.

No entanto, mesmo sozinha a TENS pode ter resultados superiores aos de fármacos analgésicos. Aplicações em pacientes submetidos à cirurgia de hérnia inguinal mantiveram a redução da dor mesmo sem a aplicação contínua da corrente elétrica. Após 24 horas, a dor se mantinha mais reduzida no grupo que usou a TENS do que nos grupos que receberam apenas placebo ou terapia medicamentosa.

Recomendações Casos como estes são muito relevantes no tratamento analgésico de pacientes que apresentam disfunção nos rins ou no fígado, órgãos que têm participação no processo de metabolização de medicamentos. Alguns pacientes com deficiência nestes órgãos têm contra-indicações para usar determinadas medicações, explica Josimari. Assim como em situações de tolerância ou reação alérgica a determinados fármacos, que impedem que eles sejam utilizados, a TENS surge como uma alternativa de analgesia altamente indicada.

Atualmente, os estudos em relação à TENS são voltados principalmente para a definição de qual a melhor maneira de aplicá-la a cada caso específico. Há as variações de características da corrente, como sua intensidade, freqüência e duração do pulso, e também os locais para a colocação dos eletrodos, além de questões como o tempo de cada aplicação, a quantidade de sessões e o intervalo de tempo entre as aplicações. A idéia é que para cada tipo ou padrão de dor haja uma combinação destes parâmetros que nos dê o melhor resultado possível. Fonte: USP

  • Fonte:

Tags:

Aviso de cookies: Nós usamos cookies próprios e de terceiros para melhorar os nossos serviços , para análise estatística e para mostrar publicidade. Se você continuar a navegar considerar a aceitação de seu uso nos termos estabelecidos nos Política de Cookies.